Pular para o conteúdo principal

Se tudo é divertido, tudo é tédio





Foi criado na Europa um site, logo chega por aqui também, que visa ajudar mulheres casadas a arrumar um amante. Por lá a coisa tá dando polêmica.
Sua vida é uma rotina, sua empolgação acabou, a paixão desapareceu, nós arrumamos um amante para você, é a chamada do site.
Hoje estava ouvindo uma propaganda que dizia assim, você precisa cortar verduras, saladas e legumes, faça isso de um jeito divertido com salad fun. O que uma coisa tem a ver com a outra, tudo.
Nós não conseguimos ver o mundo se ele não for divertido. Adolescentes de classe media em Rio preto não terminam a adolescência sem ir a Disney que me parece ser o protótipo da vida ideal de hoje em dia.
Na Disney tudo é divertido e tudo é feito para evitar que você se aborreça. E exatamente assim que não apenas os adolescentes mas os adultos também querem suas vidas, vidas divertidas e sem aborrecimentos, embora eles tenham percebido já que não é fácil se livrar dos problemas.
Site que arrumam amantes para mulheres entediadas vai na mesma linha, coloque emoção nessa sua vida, arrume alguém pros momentos de folga.
A vida não pode se deslanchar sendo o que é, precisamos preenchê-la com trenzinhos que andam pela cidade poluindo o ambiente mais ainda, depois indo a Disney na adolescência, e quando adultos arrumando amantes para nos distrairmos de uma maturidade que não conseguimos encarar de frente e para qual não vemos sentido algum, a não ser transando com um estranho.
Esse é o problema, colocamos amantes onde a vida perdeu o sentido. Chama a atenção isso, porque ao mesmo tempo em que a sociedade vive todo tipo de problema e transtorno, problemas que precisam da sociedade para se verem solucionados, as pessoas fogem para ressuscitar uma vida sexual adolescente quando deveriam dar sentido a sua maturidade no espaço coletivo e público da cidade debatendo e construindo melhores caminhos para todos.
Adultos que estão juntos para além das transas que praticam só vêem sentido juntos quando juntos participam da sociedade onde moram e fazem parte. Não participando de nada, nada fazendo fica mais natural buscar saída para angústias e tédios amorosos em novos relacionamentos.
Novos relacionamentos que não demorarão a ser tornar tediosos e exigindo novas dosagens de outras novíssimas relações que voltarão a ficar tediosas no futuro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…