Pular para o conteúdo principal

Sacolas plásticas


A proibição do uso das sacolas plásticas nos supermercados para embalar comprar é bonito a primeira vista, mas me parece uma idéia para inglês ver.
Todo mundo sabe que as pessoas usam as tais sacolas mais para colocar lixo do que para carregar compras.
Querem acabar com uso da sacola para que as pessoa parem de polui, no entanto, teremos que comprar sacos de lixo para o mesmo fim que antes era destinado as sacolas de supermercado.
Quem está levando a melhor nesse lance são os supermercados. Deixarão de gastar muita grana com sacolas gratuitas e ainda venderão os sacos de lixo para que nós embalemos nosso lixo antes de jogá-lo fora.
O consumidor poluidor continua na mesma, poluindo, não polui com sacolas, mas agora com sacos de lixo preto. O problema sem solução é que nos produzimos mais lixo do que aquilo que podemos, não temos mais o que fazer com ele, e ficamos discutindo sobre sacolas de supermercado.
Antes havia bolsas para carregar compras, hoje precisamos de 50 bolsas para carregar carrinhos cheios de compras. Ou seja consumimos muito mais do que nossos avós.
Esta é uma das muitas e insolúveis contradições de nossa vida moderna, confortável e poluidora. Agora com a chegada da nova classe C todo mundo esta contente pór que está comendo iogurte e comprando e televisão, o lado que ninguém gosta de lembrar é o que cenário ambiental só piora com tudo isso.
Nossa sociedade é insustentável nesse modelo baseado em consumo na maioria das vezes de bem supérfluos e que não precisamos e nunca precisaremos. Pense nestes milhões de carros andando pelas ruas, todos máquinas de poluir, com suas latarias, pneus, baterias, vidros, ferro e tudo o que lhe acompanha, vai tudo para o lixo em duas décadas. Não é sustentável.
Sacolas são apenas uma parte insignificante do problemas e quem levou a melhor nessa foram os supermercados que depois de décadas nos fornecendo gratuitamente as sacolas, agora nos venderão.
Por que os supermercados não embalam nossas compras com sacolas de papel reciclável eles não disseram.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Folha de São Paulo continua perdendo assinantes

"Por Claudio C.B.
O artigo de César Benjamin acabou tendo uma utilidade! foi a gota d’água para cancelarmos a assinatura da Folha em nossa casa, que já perdurava por cerca de 40 anos!"
na integra http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2009/12/01/quando-se-perde-o-pulso-dos-leitores/

Eu cancelei minha assinatura em 2007, quando descobri que a Folha não havia dado uma linha sobre a criação do primeiro Instituto Internacional de Neurociências de Natal pelo cientista brasileiro e candidato ao Nobel de Ciência Miguel Nicolelis. Se o principal jornal do pais não fala nada sobre um fato que reuniu os 80 principais cientistas do mundo naquele cidade, então ela não é o maior jornal do país. L.A

O queijo e os vermes

Luciano Alvarenga
O Brasil é hoje o maior consumidor de crack do mundo; o segundo maior consumidor de cocaína das Américas; o maior entreposto de tráfico internacional de entorpecentes do planeta. Essas marcas, alcançamos em apenas trinta anos; os mesmos trinta anos da democracia social-liberal de esquerda do PSDB/PT/MDB. Essa “nova” realidade é uma tragédia em si, mas não é a única. No lastro produzido pelo discurso esquerdizante de que bastam liberdade e distribuição de dinheiro do Estado pra que se consiga fundar um país novo, outra realidade se desenvolveu entre nós. A dos profissionais que transitam entre a legalidade e a ilegalidade, entre o honesto e o corrupto, entre o certo e o errado. E são esses profissionais, hábeis na “arte” de corromperem e serem ‘honestos’, os que mais se dão bem; isto é, ganham dinheiro, fama e reconhecimento social. Em praticamente todas as áreas de ação das profissões liberais, médicos, advogados, arquitetos, contadores, jornalistas e mais todos os outr…