Pular para o conteúdo principal

Quando a sociedade paga a conta da selvageria capitalista


Atenção, foi enviado um contato pelo site


Enviado por: Luciana Baron

Cidade: São José do Rio Preto
Comentrio:
Olá, Luciano, boa noite! Meu contato neste momento trata-se mais de um desabafo indignado frente a situação com que os professores das escolas públicas estão submetidos. Como acredito em sua capacidade argumentativa e ponto de vista crítico e real, resolvi te escrever e te por a par das vergonhosas medidas lançadas pelo nosso Governo a respeito de aumento salarial da classe(talvez até você já saiba). Nosso salário está ultrapassadíssimo, 4 anos sem reajuste nenhum, e a notícia das últimas semanas é que teremos esta reposição de 42,2% (desajustados) paga dentre QUATRO ANOS. É isso mesmo, esta porcentagem será dividada por 4 e até 2014 o governo reporá. Até 2014? E a inflação? Supermercado? Combustível? IPVA, IPTU, aluguel, gás, energia, água etc, etc, etc? Ficarão congelados até lá? Como assim? É uma vergonha! Além disso, nesta semana, abriu-se a inscrição para a realização da prova do "Mérito", o que garante, para os professores efetivos (concursados), um aumento salarial de 25%, contando que só é vá lido com um acerto de aproximadamente 80% da prova. Provas para ter aumento salarial? Políticos também a fazem? Acertam 80%? Que classe é essa? E como se não bastasse, são os requisitos estipulados por ELES e enfiados garganta abaixo de nós, professores, que são extremamente absurdos. Há 15 anos, estou em sala de aula, fiz a prova no ano passado, atingindo uma média de 90% de acerto, e para que valeu? NADA. Pois após resultado das notas, apresentou um requisito de que se o professor não tiver 1168 dias nesta última escola, a que está, a sede, não vale nada. Não interessa há quanto tempo se está nas escolas, em ofício exaustivo de uma sala de aula,se não tiver este período NESTA DE AGORA, não adianta, e ponto final. Me revoltei, chorei, briguei. Que se entende por mérito? Não seria uma gratificação por capacidade intelectual e domínio do que se aplica em sala de aula, para os alunos? Como pode alguém ter 90% de acertos e não conseguir por não ter um número idiota de dias, estipulado por alguém mais idiota ainda e nos apresentar esses absurdos de requisitos sem ao menos termos a oportunidade para discutir, argumentar ou sequer recusar? E tem mais, depois de toda uma luta inválida, fiz minha nova inscrição deste ano, 2011, e o resultado? Negada, pois tenho 1156 dias nesta escola e não 1168, exatamente 12 dias a menos, porque não se conta o total, 15 anos. E o que posso fazer além da indignação? Nada. Ninguém pode sequer dar uma resposta plausível, porque a mesma não há. E ninguém pode dar aquilo que não tem. Que mundo é este? Que sistema educacional é este? E querem cobrar o fracasso escolar de nós, professores? Porque assim é mais fácil, dá-se a culpa para quem não tem como se defender e os superiores, enquanto isso, se safam novamente por tamanho descaso e neglicência com o futuro da nação. Sem mais, obrigada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…