Pular para o conteúdo principal

PSDB mineiro: privatização da escola começa pela merenda e limpeza

Quem quiser saber onde isso vai dar leia sobre o que aconteceu nas escolas públicas americanas.

Do Valor
Beth Koike | De Belo Horizonte
06/05/2011 
Oito meses após a criação de uma Parceria Público Privada (PPP) na área da saúde, a prefeitura de Belo Horizonte assinou um convênio para tornar viável a primeira PPP no segmento de ensino, que demandará investimento de cerca de R$ 200 milhões.
O projeto prevê a construção de 37 escolas, sendo 32 delas voltadas para o ensino infantil e as outras cinco são destinadas à crianças a partir de seis anos. A iniciativa privada será responsável pela construção e gestão dos serviços não pedagógicos, como, por exemplo, limpeza, segurança e compra de materiais, entre outros. As novas escolas atenderão aproximadamente 20 mil alunos. Atualmente, Belo Horizonte tem 54 escolas infantis e 186 de ensino fundamental em atividades.
consórcio vencedor terá um contrato longo, algo entre 30 e 35 anos, para administrar as escolas. É o tempo para pagar e remunerar o investimento, que será totalmente feito pela iniciativa privada", disse Marcello Faulhaber, secretário municipal de Desenvolvimento de Belo Horizonte.
"Com uma empresa administrando os serviços de suporte, o diretor da escola terá mais tempo para cuidar de questões pedagógicas. Muitas vezes, boa parte do tempo desse diretor é ocupado por outros assuntos que não são propriamente educacionais", complementou Mauricio Portugal Ribeiro, diretor do International Finance Corporation (IFC), braço do Banco Mundial para o setor privado. O IFC é o responsável pelo estudo de viabilidade econômica, técnica e jurídica do projeto.
A expectativa é que a contratação do consórcio ocorra no fim deste ano e que as obras das escolas comecem nos primeiros meses do próximo ano.
O IFC também é parceiro da prefeitura de Belo Horizonte em uma PPP para a reforma de 80 dos 147 postos de saúde da capital mineira, cujo contrato foi assinado em agosto do ano passado. Como na PPP das escolas, o investidor privado será responsável pelas obras dos postos de saúde e pela administração de todos os serviços que não são referentes à área da saúde. O investimento varia de R$ 350 milhões a R$ 450 milhões, e a totalidade dos recursos virá da iniciativa privada.
Ainda na área da saúde, a prefeitura mineira contratou uma Parceria Público Privada para o término da construção do Hospital Metropolitano de Barreiro, região ocupada por população de baixa renda. Porém, nesse caso a prefeitura entrou com investimento de R$ 29 milhões para obras de infraestrutura do hospital e outros R$ 150 milhões estão sendo aplicados pela iniciativa privada para a finalização das obras e aquisição dos equipamentos médicos.
A prefeitura de Belo Horizonte tem ainda outros projetos de PPP para construção de garagens subterrâneas, rede de comunicação de dados e imagens e também um novo terminal rodoviário na cidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…