Pular para o conteúdo principal

O que existe nessa molecada que seja nosso


Numa sociedade do divertimento é fácil imaginar que é possível levar a vida fugindo dela.
Porque ficar em casa curtindo uma deprê se sair ir a um bar e beber é mais fácil e certamente melhor, certo? Errado.
Tá fácil imaginar que a vida é simples, que as coisas no fim dão certo, e está fácil porque estamos seduzidos pelas facilidades do mundo eletrônico.
Achamos que qualquer coisa que façamos independente do que seja e de suas conseqüências, podemos consertá-las, mudá-las quando quisermos.
Vejo muitos jovens casais com seu bebe no colo cada qual olhando em direção ao perdido e querendo desaparecer dali, querendo saber o que foi que fizeram para serem punidos daquela forma.
Estes dias no shopping vi um casal assim, muito novos, cada um olhando para um lado e o bebe olhando para os dois. Perdidos, esquecidos, pensando como foi que passaram da creche para aquela situação.
A vida esta sendo vendida como se fosse uma festa em que a coisa mais difícil é escolher qual bebida vai se tomar, se uma ou se todas. Esta geração que ai está cheia de informação que não serve para nada, entupida de celular e contas na web pensando que dominarão o mundo assim que quiserem e mal sabem que estão sendo engolidos antes mesmo de serem adultos.
E nos adultos que nada queremos, nada falamos, nada pensamos, nada criticamos, não sabemos o que dizer a eles, pior, vivemos nossa inveja destes adolescentes que perdemos sem ter dado a eles nada que seja nosso.
Damos carros, damos estudos, damos nada muitas vezes, mas nosso mesmo, o que damos? O que existe nessa molecada que seja nosso, o que eles levarão pela vida que herdaram de nós? Nada.
Que triste para nós, tivemos filhos, lhes damos o melhor que podemos, aconselhamos que vivam suas vidas sem cessar e sem pensar em nada, porque nada oferecemos para que pensem, não podemos dizer para que sejam como nós por que estamos arrependidos de sermos o que somos, a única coisa que dizemos para que façam é estudar. Mas nem sabemos por que dizemos isso, tendo em vista que muitos de nos estudamos e não sabemos se foi bom. O nome disso é crise.













Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…