Pular para o conteúdo principal

ideal das luzes?

MESTRE MUKA deixou um novo comentário sobre a sua postagem "O que está por trás do Kit Gay":
Ainda podemos acreditar no ideal das luzes?
Podemos chamar a constituição e os meios democráticos de apogeu ou bom exemplo da razão e dos bons valores humanos? Ou será que modernidade em sua eterna busca de liberdade, igualdade,fraternidade, manifestada na nossa liberdade política, civil e social não tenta nos modernizar, assim como fez e faz no atual século. Esta modernização, tentáculo da modernidade para se chegar ao apogeu dos valores humanos, criou a cultura de massa, a vida urbana da ultra informação, os valores de consumo e de trabalho desregrado e danoso, o combate empresarial e curricular que abrange o micro e o macro. Para alguém parecer humano novamente e poder ser percebido como tal, deve-se estar na mídia, nas propaganda, ser pop nas redes sociais, um ser desindividualizado que para mostrar seu individualismo não pode ser quem se é mas sim uma construção que apenas o distanciou mais de seu verdadeiro self. É uma época em que estamos todos perdidos guiados por movimentos que não entendemos, devido a anulação no individuo. Não há mais tempo para a familia, nem para se pensar em como se vive, mas apenas vivemos. E um século onde as análises abandonaram a filosofia, onde o conhecimento histórico foi ignorado. Nossos maiores saberes, estão na wikpedia, nossa opiniao vem de vloges.

MESTRE MUKA deixou um novo comentário sobre a sua postagem "O que está por trás do Kit Gay":

Nossa escola publica é não vale de nada, é apenas um organismo morto que cria pessoas mortas. O discurso é o mesmo em qualquer região do pais, todos só querem ser funcionários públicos, para poder consumir e ter uma melhor aposentadoria. A escola está uma sucata, superlotada em um cenário onde não se respeita mais nada, nem alunos nem professores. O profissional de educação empurra os pcns com a barriga, há um pacto de mediocridade, uns fingem que dão aula, outros fingem que estudam. No privado, o aluno é preparado para o mercado, se esquece da produção cultural, a academia só existe para fazer o aluno passar no vestibular.
Não se tem mais valores, não se sabe por que se existe, pois nossos vínculos são apenas com o momento que esta se passando na internet, tv, cultura de massa, e no que o mercado me pede para que eu possa um dia ter meu lugar e consumir, que se dane as questões sociais. Se o povo brasileiro tivesse consciência e soubesse ler e interpretar, o artigo 5 da constituição já bastaria, mas para a maioria a constituição só serve para passar em concurso, por isso estamos assim; de um lado tradicionalistas que não sabem por que são tradicionais, do outro, movimentos em busca de uma identidade que venha quebrar essa subjetividade de controle.

Me desculpem o texto longo, pois sei que a maioria tem preguiça de ler.

Mestre Muka.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…