Pular para o conteúdo principal

Gabriel Chalita, Edinho Araújo e João Rillo


Vamos tentar entender o jogo eleitoral em andamento no Estado de São Paulo e como ele pode determinar as eleições o ano que vem.
Gabriel Chalita foi o segundo deputado federal mais votado de São Paulo ano passado, algo em torno de 560 mil votos. Foi eleito pelo PSB.
Desde então o PMDB vem insistindo muito para o Chalita vir para o partido. A idéia do PMDB é lançá-lo candidato a prefeito de São Paulo ano que vem, por quê?
Em São Paulo não há candidato natural a prefeitura. NO PT, por exemplo, os nomes de sempre são os dinossauros, Marta, Genuíno, Mercadante e outros sem expressão. No PSDB o nome mais forte é Bruno Covas, até por que Serra virou um entulho no PSDB e não há outro nome em melhores condições, nem Aluisio Nunes, amigo de Serra, mas um estranho para Alckmin.
Com o PT velho, e o PSDB lançando um nome novíssimo, se abriu uma possibilidade para uma terceira via.
Aqui entra em questão o quadro nacional. O PT nada sozinho e sem oposição, Aécio aos poucos perde a áurea de candidato natural e se revela aquém daquilo que se espera de nome de oposição.
Enquanto isso no Rio de Janeiro Sérgio Cabral segue em seu segundo mandato com enorme aprovação da população Fluminense. Ele é do PMDB e depois do trabalho que vem fazendo nos morros cariocas se tornou o mais forte nome do PMDB para uma possível candidatura em 2014 para concorrer com o nome normal da Dilma, que está muito longe de por medo nos adversários como o Lula.
Será o melhor momento para o PMDB lançar um nome a presidente. Até porque depois da Dilma, vem o Lula. Se este partido decidir fazer isso, terá que certamente lançar um nome a prefeito em São Paulo, e este nome é Gabriel Chalita.
Dos nomes em São Paulo Chalita é de longe o que tem mais chances, seguido do Bruno Covas. É aqui que entendemos por que o Lula está pessoalmente envolvido em convencer o PMDB a não lançar o Gabriel Chalita.
E como tudo isso chega em Rio Preto. A única coisa que faria o PMDB desistir de lançar o Chalita seria o PT oferecer muitas outras opções. Por exemplo o PT abre mão de todas as candidaturas importantes no Estado em nome do PMDB. Em Rio Preto o melhor nome do PT é João Rillo, candidatíssimo a prefeito. Se o Lula convencer o PMDB a não ter candidato próprio e apoiar o PT em São Paulo, a candidatura do João aqui vai pra cucuias.
Mas caso o PMDB lance o Chalita em São Paulo, o João Rillo segue no páreo em Rio Preto concorrendo contra um Edinho Araújo apoiadíssimo pelo PMDB nacional. A impressão que eu tenho é que o PMDB lançará Gabriel Chalita em São Paulo e Sérgio Cabral a presidente em 2014.
 É o quadro hoje.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…