Pular para o conteúdo principal

Das consequências da modernidade, o Kit Gay


As demandas do movimento GLBT agora em torno do Kit anti homofóbico expressa um movimento muito maior das sociedades contemporâneas ocidentais.
À medida que a sociedade cresce, se urbaniza, ela ao mesmo tempo fica mais fragmentada, mais individualista e, portanto, mais egoísta, e também muito mais heterogenia, isto é, formada sempre por mais pessoas diferentes e com estilos e maneira de viver pouco comuns.
A força de uma sociedade está na sua coesão, em sua homogeneidade. Quanto mais as pessoas forem iguais, isto é, partilhem os mesmos hábitos, as mesmas crenças, os mesmos costumes, mais forte é esta sociedade na sua relação com outros povos.
O que está acontecendo no ocidente, e no Brasil mais recentemente é que o desenvolvimento urbano e das tecnologias da informação desmancharam a unidade social e sua coesão em nome de ma variedade de comportamentos, idéias, e expressões culturais que hoje praticamente toma conta de tudo.
Todo mundo se vangloria de fazer o que bem entende e mais ainda afirmar que cada um deve cuidar de si e fazer o que quiser e que ninguém tem nada com isso. Tudo isso é bonito no discurso e faz parecer aberto e liberal quem faz tais discursos. Mas a conseqüência disso é na verdade uma sociedade que é obrigada a cada vez mais atender as demandas destas novas minorias que estão sempre exigindo seus direitos e que sejam conformados no tecido social da sociedade.
Os grupos GLBT são apenas uma expressão disso. Querem ter o direito de viver e serem aceitos sem preconceitos, assim como os casais hetero exigiram o divórcio como um direito a 40 anos atrás. A conseqüência mais evidente do divórcio, ainda que ninguém queira extinguir esta lei, foi o enfraquecimento da família. Em nome de um direito individual, o desejo de separar-se, comprometeu-se um direito coletivo, o direito de um filho ter uma família estável.
Essa é a tendência da sociedade moderna, crescer e incorporar novas minorias reivindicantes de novos direitos que devem ser aceitos por todos os outros.
Tendo em vista a realidade atual não me estranhará se algum grupo começar a defender que pornografia é alta cultura e que deve ser ensinada nas escolas para que as crianças e jovens conheçam seus corpos e suas possibilidades
Tendo em vista a realidade das assim chamadas famílias atuais, não me estranhará se daqui a alguns anos aparecer um grupo dizendo que o amor incestuoso não é nenhum crime e que é preconceituoso quem não aceitá-lo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…