Pular para o conteúdo principal

Ainda o Realengo

Sobre Realengo
Olá Luciano,

Acabei de ler, com um certo atraso, seu texto sobre o massacre em Realengo. Discordo sobre a parte em que fala da escola pública. Eu trabalho em uma e lá não é muito diferente de escolas particulares de primeira linha onde já lecionei em São Paulo. Nós, os educadores, estamos mais perdidos "que cachorro em dia de mudança", porque há uma mudança acontecendo em termos tecnológicos, tão rápida que a educação ainda não está pronta pra acompanhar, que dirá o professor, que é um dos seres mais resistentes. Depois de séculos sendo o detentor da função de transmitir o conhecimento, como é que a gente larga o osso? Eu adoro meus alunos e trabalho com projetos de leitura, teatro e iniciando  com linguagem cinematográfica. Isso o aluno sabe, ele vê tv e video game desde que nasceu e entende que linguagem eu estou falando. Os meus aqui da periferia só não sabem os nomes. "Ahn, câmera subjetiva, aquilo que a gente vai enxergando? entendi..."  Então, acho que as ESCOLAS estão todas no mesmo barco, públicas ou particulares. Temos, em contrapartida, alunos que estão frequentando a faculdade, Direito, Administração, Letras que sairam da minha escola, aqui nos confins da zona norte da cidade. Alunos com as tais "famílias desestruturadas" mas que se integraram, se estruturaram e seguiram sem problemas, sem drogas, sem crime.  Acabei de lembrar de um fato que ocorreu há alguns anos: o de um jovem estudante de Medicina que entrou num cinema e metralhou pessoas. Ele não era fruto de uma escola pública com certeza... 

Enfim, estou indo em defesa da escola pública, não por achá-la boa, mas por não acreditar que ela seja tão diferente das outras no que produz em termos sociais. Mais um estigma?

Um abraço

Fátima SAlomeh

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…