Pular para o conteúdo principal

48 mulheres estupradas por hora

A violência contra mulheres no Congo

Por Marcia
Do A Tarde Online
Agência Estado
O Congo é conhecido por ser o pior lugar no mundo para as mulheres. Um novo estudo divulgado hoje pelo Jornal Americano de Saúde Pública mostra que a situação é pior do que se pensava: 1.152 mulheres são estupradas todos os dias, uma taxa de 48 por hora. A taxa é 26 vezes maior que a estimativa anterior de 16 mil estupros em um ano divulgada ano passado pela Organização das Nações Unidas (ONU).
Michelle Hindin, professora assistente da Escola de Saúde Pública John Hopkins Bloomberg, especialista em violência contra gêneros, disse que a taxa pode ser ainda mais alta. Segundo ela, deve se levar em conta que a pesquisafoi realizada pessoalmente por meio de entrevistas e as pessoas nem sempre revelam que sofreram violência quando conversam com estranhos.
O Congo, país com 70 milhões de pessoas e território do tamanho da Europa Ocidental, tem sido assolado por décadas de guerra. Suas vastas florestas estão cheias de milícias que usam o estupro para destruir as comunidades. A maior frequência de estupros foi encontrada em Kivu do Norte, a província mais afetada pelo conflito, onde 67 mulheres a cada mil foram estupradas pelo menos uma vez.
A análise que será publicada no Journal of Public Health em junho revela que mais de 400 mil mulheres foram estupradas no país durante um período de 12 meses entre 2006 e 2007. As informações são da Associated Press.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…