Pular para o conteúdo principal

Sutiã com enchimento para ela



Há uma grande confusão na cabeça das pessoas hoje em dia e uma incapacidade cada vez maior de decidir sobre o que seja certo e bom e o que é errado.
Por exemplo, é bom que sua filha de 6 anos use sutiã, não. Sutiã com enchimento para que ela parece ter seios que na verdade não tem, menos ainda.
É correto que os garotos passem horas a fio jogando na internet e torrando sua infância em jogos eletrônicos, não.
É normal e sadio que os pais estimulem nos filhos um comportamento consumidor dando a eles a oportunidade de reproduzirem em família os comportamentos e atitudes ensinados pela propaganda para as crianças enquanto elas assistem TV. Não.
Você tem um filho em casa, ou um consumidor infantil. Por que a indústria e o mercado publicitário está investindo cada vez mais em propaganda para criança? Por que agora existe miss infantil, por que agora as garotas mais brincam de maquiagem e se maquiam, e até já existe salão de beleza para crianças?
Tenho a impressão que os adultos não estão sabendo lidar, e não é fácil mesmo, com esta situação. A infância está acabando e as crianças cada vez mais se comportam como consumidores e fazem um discurso mais e mais parecido com o de adultos jovens.
A sociedade perdeu as referências sobre o que seja certo, não sabe mais que tipo de valor defender, é pressionada por um discurso relativista que prega liberdade que mais parece ausência de valores, sente-se acuada em defender-se de tais discursos por tais discursos quase sempre vem chancelados pela mídia e pela publicidade.
Isto é, valores, moral social e ética está fora de moda, é atrasado, conservador e não serve para os novos tempos. Assentados numa moral de consumidor infantil somos levados quase por inércia a acreditar que e o melhor é sempre o fácil, o simples, e o rápido.
Fatos como o massacre do Realengo foi logo explicado pela presumida loucura do rapaz. Isso é o fácil, o simples é o mais rápido como resposta.
Enquanto isso não sabemos o que fazer como nossas crianças que ficam adultas na nossa frente antes de completarem dez anos, e com quem mais aprendemos do que ensinamos. O que aprendemos com elas não sabemos, o que poderíamos ensinar tão pouco alguém consegue dizer.
Ou seja, graças ao mercado que existe a publicidade para ensiná-las a serem consumidoras, por que nós quase nada temos a dizer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…