Pular para o conteúdo principal

São Paulo: PSDB rachado, PSD com apoio da Dilma e o PT vindo para cima

A estratégia da Lula para São Paulo

Lula quer atrair malufistas e nova classe média em SP
Ex-presidente defende alianças à direita e mira "órfãos" de ex-adversário
Petista cobiça mesmo alvo definido por FHC e cita seu convite a José Alencar como exemplo a ser seguido em 2012
BERNARDO MELLO FRANCO
DE SÃO PAULO
O ex-presidente Lula quer forçar o PT a abrir o leque de alianças em São Paulo para avançar sobre a chamada nova classe média e os "órfãos do malufismo e do quercismo" nas eleições de 2012.
Em reunião fechada com petistas, ele prometeu ontem subir no palanque de candidatos a prefeito, mas afirmou que o partido precisa fazer concessões para minar a hegemonia do PSDB no Estado.
Lula orientou a legenda a concentrar esforços nas áreas onde houve maior ascensão social em seu governo, como a periferia da capital e a região metropolitana.
Ele defendeu que o PT busque alianças à direita, com políticos de perfil conservador, para "quebrar resistências" à sigla nesses redutos. Citou seu convite ao empresário José Alencar, em 2002, como exemplo a ser seguido.
"É importante escolher bons vices, que dialoguem com setores com os quais nós tradicionalmente não conseguimos dialogar", resumiu o presidente estadual do PT, Edinho Silva.
"Ele [Lula] deu o exemplo do Alencar. O ideal é que todo mundo tivesse um vice como o Alencar, que na disputa de 2002 conseguiu ampliar e quebrar resistências."
A classe emergente cobiçada por Lula é a mesma que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso definiu como alvo da oposição em artigo recente. Lula criticou FHC e o acusou de elitismo por dizer que os tucanos não devem disputar o "povão".
O petista também aposta em novas alianças para disputar o espólio eleitoral de dois rivais históricos: o deputado Paulo Maluf (PP-SP), que perdeu força política, e o ex-governador Orestes Quércia (PMDB), morto em 2010.
"O PT tem que ampliar a política de alianças para acenar para esses setores mais conservadores, como os órfãos do malufismo e do quercismo", disse Edinho Silva.
Num sinal da nova ordem, o presidente do PT paulista deixou a reunião fazendo elogios ao prefeito da capital, Gilberto Kassab, que deixou o DEM para fundar o PSD.
"O movimento do Kassab tem que ser aplaudido por nós. No momento em que ele vem para a base de apoio da Dilma, nós não podemos ser contra. Temos de elogiar."
DIRCEU NA ATIVA
O ex-ministro José Dirceu (Casa Civil), que arquitetou a aliança com o PR (então PL) na vitória de 2002, participou do encontro e se ofereceu para negociar nos municípios.
A maioria dos petistas se manifestou contra a ideia de marcar prévias para definir o candidato na capital. A senadora Marta Suplicy e os ministros Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia) e Fernando Haddad (Educação) são os mais cotados à vaga.
Lula reuniu 32 prefeitos em Osasco, uma das principais cidades administradas pelo PT em São Paulo. Alguns convidados foram de carro oficial, como o prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, e o deputado estadual Simão Pedro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Folha de São Paulo continua perdendo assinantes

"Por Claudio C.B.
O artigo de César Benjamin acabou tendo uma utilidade! foi a gota d’água para cancelarmos a assinatura da Folha em nossa casa, que já perdurava por cerca de 40 anos!"
na integra http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2009/12/01/quando-se-perde-o-pulso-dos-leitores/

Eu cancelei minha assinatura em 2007, quando descobri que a Folha não havia dado uma linha sobre a criação do primeiro Instituto Internacional de Neurociências de Natal pelo cientista brasileiro e candidato ao Nobel de Ciência Miguel Nicolelis. Se o principal jornal do pais não fala nada sobre um fato que reuniu os 80 principais cientistas do mundo naquele cidade, então ela não é o maior jornal do país. L.A

O queijo e os vermes

Luciano Alvarenga
O Brasil é hoje o maior consumidor de crack do mundo; o segundo maior consumidor de cocaína das Américas; o maior entreposto de tráfico internacional de entorpecentes do planeta. Essas marcas, alcançamos em apenas trinta anos; os mesmos trinta anos da democracia social-liberal de esquerda do PSDB/PT/MDB. Essa “nova” realidade é uma tragédia em si, mas não é a única. No lastro produzido pelo discurso esquerdizante de que bastam liberdade e distribuição de dinheiro do Estado pra que se consiga fundar um país novo, outra realidade se desenvolveu entre nós. A dos profissionais que transitam entre a legalidade e a ilegalidade, entre o honesto e o corrupto, entre o certo e o errado. E são esses profissionais, hábeis na “arte” de corromperem e serem ‘honestos’, os que mais se dão bem; isto é, ganham dinheiro, fama e reconhecimento social. Em praticamente todas as áreas de ação das profissões liberais, médicos, advogados, arquitetos, contadores, jornalistas e mais todos os outr…