Pular para o conteúdo principal

Renato Dias Martino

O Fim Possível para as Prisões


 “Para que servem os presídios?”. O que será daquele que perde a possibilidade de construir laços sociais. Alguém que nunca teve amor e daí por diante só tende a piorar, em um regime penitenciário, que afasta o homem dos outros e não ensina o mesmo a viver com outros. Sigmund Freud (1856 – 1939), em 1922, publica “Psicologia das Massas e Análise do Ego”. Mostra como o grupo ou o social se comporta, analogamente, ao indivíduo e vice e versa.
Quem é a organização criminosa? É a parte análoga ao reprimido na mente do sujeito, ou seja, uma parte do “eu” que não consegue encontrar lugar na consciência, um afeto, uma necessidade ou, simplesmente, um impulso primitivo que não teve a chance de evoluir, ganhando sentido de ideia ou status de características conscientes na totalidade da personalidade ou do “eu” do indivíduo. O reprimido está condenado, pelas instâncias críticas e censoras do “eu”, a viver nas profundezas do inconsciente. Contudo, amiúde, tenta emergir na personalidade consciente provocando, assim, os sintomas da neurose. Assim, como na neurose do indivíduo, também a neurose social, ou grupal, apresenta os sintomas decorrente da repressão de parte do que poderíamos chamar de “eu social” com o intuito de um possível equilíbrio no todo.
            Nos noticiários são comuns os discursos dos dirigentes da segurança, proferindo a frases como: “A solução é a repressão”, enquanto à repressão é exatamente a causa da desgraça social. Não existe ou, pelo menos, não tenho conhecimento de algum método terapêutico que tenha como instrumento o incentivo à repressão. E se existe, deixo aqui meu descrédito.
Segundo Freud, o sintoma da neurose traz consigo um enigma que, através da interpretação, pode encontrar a solução para o conflito mental. Willfred Bion (1897 –1979),  dissidente de Freud, introduz o conceito de “elementos beta”- o caótico, incompreensível e desordenado - conteúdos que procuram um continente que os acolha e assim, possam sofrer certa transformação em “elementos alfa”- o organizado e afetivamente inteligível.  Nosso sistema carcerário é exatamente o inverso disso: o elemento entra caótico e desconexo e sai caótico e desconexo. Pior que isso, ainda com o peso da desesperança, fruto de sua experiência nesse ambiente hostil. Penso que, assim, como no “eu” ou no nível individual, também o “eu social” é maior e mais forte que o reprimido, mas, que por estar nesta condição de pressão, adquire características impulsivas e perigosas.
Mas, para que o “eu” possa resolver o conflito neurótico é necessário uma mudança de vértice, ou ponto de vista. Na sociedade também, como um todo, como responsabilidade e mobilidade da idéia social. O reprimido também é parte do “eu” e como tal, o “eu” não vive sem ele. Essa mudança da qual me refiro, talvez tenha que passar por uma humanização dos presídios e pela entrada do respeito para com o sujeito condenado e preso.
Talvez, a necessidade seja de um ambiente que proponha e proporcione ao criminoso uma transformação, e ai eu insisto e não vejo outro meio que não compreenda o respeito.


Prof. Renato Dias Martino -

Psicoterapeuta -

renatodmartino@ig.com.br -

Fone: 17-30113866

http://pensar-seasi-mesmo.blogspot.com/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…