Pular para o conteúdo principal

Por que a midia nada falou sobre isso

Fotos da revolta em Jirau

Histórico da construção de Jirau vai de revolta de operários à desmatamento ilegal
Além dos problemas já conhecidos, construtora Camargo Corrêa e consórcio Energia Sustentável ainda desmataram 18 hectares às margens do Rio Madeira durante construção da barragem

PROTESTO
O canteiro de obras da usina de Jirau foi, esta semana, mais uma vez palco de tumultos e aparece outra vez no cenário nacional em decorrência da falta de responsabilidade entre patrão-empregado. O protesto começou na terça-feira (15), e teve como saldo negativo incêndios e destruição de alojamentos.
Aproximadamente trezentos trabalhadores atearam fogo em quarenta e cinco ônibus e queimaram outras instalações da usina. A reivindicação chegou a tal ponto, porque os trabalhadores da usina não agüentaram mais as péssimas condições de trabalho e ainda, segundo informações dos próprios funcionários, cerca de quatro mil pessoas foram ameaçadas de demissão.
Longe do que diz a nota de esclarecimento da empresa Camargo Corrêa, os protestos prosseguem ainda nesta quinta-feira (17), já que centenas de funcionários se juntaram à frente da entrada da usina – já que no canteiro ficaram apenas os alojados –, fontes dão conta de que há possibilidade de nova revolta.
A falta de responsabilidade do consórcio responsável pela Usina é tão grande, que os vereadores de Porto Velho se viram obrigados a intervir para resolver o problema. No último dia 15, a Câmara Municipal de Vereadores da Capital criou uma comissão pluripartidária para fiscalizar de perto a aplicação dos recursos de compensação do consórcio da usina de Jirau.
O presidente da Câmara, Eduardo Rodrigues, chegou a dizer em sessão que, “os responsáveis pela Hidrelétrica de Jirau tratam a população do Jaci como lixo”. Dá razão ao vereador, qualquer pessoa que tenha ido até Jaci-Paraná somente neste período em que a Usina de Jirau está sendo construída.
Focos de prostituição infantil, criminalidade crescente, ruas e vias obstruídas por pessoas bêbadas. A iminência de uma tragédia no distrito é tão grande que os políticos de Rondônia tiveram que começar a mexer seus pauzinhos para frear os desmandos dos responsáveis pela Usina de Jirau.
DESMATAMENTO
Ainda em 2009, durante a construção da barragem , o desmatamento de uma área de 18,7 hectares às margens do Rio Madeira causou uma multa de R$ 475 mil ao Consórcio Energia Sustentável do Brasil (Enersus), responsável pela construção da usina de Jirau, em Rondônia.
De acordo com nota publicada pelo Ibama, que aplicou a autuação, as empresas do consórcio não tinham licença para remover a floresta nativa, que estava localizada em área de preservação permanente – local próximo à beira de rios, nascentes ou topo de montanhas.
"A licença parcial que eles têm permitia apenas o desmatamento de vias de acesso e do canteiro pioneiro (primeiro local para depositar material e equipamentos para a obra da usina)", explicou à época, César Guimarães, superintendente do Ibama no estado.

Confira fotos do quebra-quebra em Jirau
Imagem News teve acesso ao interior do canteiro de obras na usina de Jirau e registrou a situação de destruição em que ficou o local, após protesto dos operários, que teve inicio na tarde de terça-feira (15) e foi parcialmente controlada pelo Polícia Mili
  IMAGEM NEWS - 
  O Imagem News teve acesso ao interior do canteiro de obras na usina de Jirau e registrou a situação de destruição em que ficou o local, após protesto dos operários, que teve inicio na tarde de terça-feira (15) e foi parcialmente controlada pelo Polícia Militar nesta quarta-feira (16). Operários ameaçam recomeçar o quebra-quebra agora à noite.












 http://www.rondoniadinamica.com/arquivo/historico-da-construcao-de-jirau-vai-de-revolta-de-operarios-a-desmatamento-ilegal,24034.shtml

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…