Pular para o conteúdo principal

O desconcerto de um estudante de Jornalismo




Quanto mais me aproximo do final da faculdade menos enxergo romantismo na profissão do jornalista. Nossa profissão é essencialmente ligada ao diferencial social. Quando se escreve para toda uma sociedade o que se tem em vista é a melhoria desta. Não é o que acontece atualmente. Guiados pelo desmerecimento contínuo com a falta de exigência do diploma, redações cada vez mais cheias, salários baixos e chefes ceifadores dos “crentes” no Jornalismo Cidadão, o jornalista recém-formado na verdade não sabe pra que lado se atirar.

A profissão de jornalista tem tantas abas a serem abertas que elas nos confundem os olhos com essa complexidade de rumos a escolher. Antes de você pisar no teu caminho já tem algo te puxando pra outro lado, é um GPS guiado por uma voz de manicômio, é um desconcerto agonizante. Somos obrigados a sair da faculdade melhores do que os já estão no mercado há tanto tempo. A profissão do jornalista, maximizada na era da informação movida pelo capitalismo, parece ser vítima desta busca constante pelo lucro. Querer ser digno na profissão muitas vezes esbarra em não ter um salário justo.

Se a internet nos propiciou tanto, ela também nos trouxe como concorrente o mundo todo. A inteligência coletiva de Pierre Lévy anda se concretizando a passos largos em alguns casos. Em outras situações o que se vê é o esteriótipo de “desinformação coletiva”. Todos com suas verdades absolutas gritam aos quatro ventos suas fontes, localizadas em seus próprios cérebros. Muitos dizem que a não-exigência do diploma é consequência da modernização do Brasil, eu diria que na verdade foi um tiro no pé, pedir pra que não se qualifique seria absurdo em qualquer profissão, no meio jornalístico não é, é “liberdade de expressão”.

Informar é uma responsabilidade séria, nos bancos da faculdades somos orientados sobre como agir de forma correta, somos apresentados ao Código de Ética dos Jornalistas, nos mostram todo o contexto em que seremos inseridos. Passando os quatro anos somos jogados ao mundo, órfãos de diploma, perdidos em local íntimo. O excesso de jornalistas no mercado nos faz procurar locais como Assessorias de Imprensa, trabalho em propagandas políticas; no final do mês, afinal, quem vai pagar as contas? Minha ética ou o meu dinheiro?

Se o jornalismo é a busca incessante pela informação correta, pelo bem comum da sociedade e pela ética, teremos então que colocar um novo nome para o que é praticado em grande parte da grande rede e da grande mídia. Nossa profissão é ingrata. Não temos uma preocupação com nossos companheiros de lida; em meio a tantas ideologias políticas e chefes que se engalfinham, ficamos reféns, esperando uma solução que não chega. Os jornalistas “novos” são obrigados a se esconder nas empresas, bater cartão e tomar café em suas mesas, estáticos. Se a rua é o ambiente de trabalho do jornalista, o que estamos fazendo atrás desse computador?

*Estudante de Jornalismo, 22 anos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…