Pular para o conteúdo principal

Modernidade ou decadência?


Assaltos e roubos em Rio Preto ficam cada vez mais ousados, e o que era uma realidade a atormentar a vida das pessoas em bairros afastados da cidade, é uma realidade cada vez mais presente na região central da cidade.
Os ladrões que antes se contentavam com o fácil agora roubam caixas eletrônicos, assaltam as casas mesmo com os donos dentro delas, e se antes assaltavam tentando evitar perdas humanas, agora matam a qualquer sinal de reação.
Aliás, reagir é quase uma sentença de morte. enquanto isso vemos o governo dando bolsa bandido. Alguém que seja preso depois de um crime passa a receber uma indenização encaminhada a família do criminoso. Me parece que é algo em torno de 700 reais. O cara comete um crime e a sua família passa a receber um salário enquanto ele estiver preso.
A família da vitima essa não recebe nada. É a mais completa inversão de valores de que se tem noticia. O governo está tentando corrigir séculos de injustiças sociais criando um monstrengo em que se confunde injustiça social com premiação da criminalidade.
Aliás, que se diga uma coisa, é fundamental que se discuta quais são os fins e quais as finalidades de todas as bolsas criadas nestes últimos anos. Evidentemente que as injustiças e disparidades existentes na sociedade devem ser corrigidas, mas não é distribuindo pequenas quantias em dinheiro que mudará alguma coisa.
A educação pública faliu, a saúde é uma tragédia no pais inteiro, a segurança pública não existe e cada vez mais as ruas são uma escola do crime. O uso de drogas é corriqueiro e transforma gerações de jovens em zumbis dependentes de sua dose diária de droga. Enquanto isso o Brasil é o pais das bolsas sociais. Que se são importantes num primeiro momento para as famílias que dela dependem, não podem ser um fim em si mesmo, ou seja, como estas famílias viverão depois.
Esta é a pergunta. Um pai não se constrói apenas com bolsas, que se são importantes não são a solução. O que tenho visto é que o trabalho não é mais um valor, a justiça quem faz são os espertos, ética virou coisa de otário, o respeito pelos mais velhos é bobagem, os valores religiosos são tratados como coisa de gente atrasada. Isso tudo não é modernidade é decadência.
Assaltos e roubos em Rio Preto ficam cada vez mais ousados, e o que era uma realidade a atormentar a vida das pessoas em bairros afastados da cidade, é uma realidade cada vez mais presente na região central da cidade.
Os ladrões que antes se contentavam com o fácil agora roubam caixas eletrônicos, assaltam as casas mesmo com os donos dentro delas, e se antes assaltavam tentando evitar perdas humanas, agora matam a qualquer sinal de reação.
Aliás, reagir é quase uma sentença de morte. enquanto isso vemos o governo dando bolsa bandido. Alguém que seja preso depois de um crime passa a receber uma indenização encaminhada a família do criminoso. Me parece que é algo em torno de 700 reais. O cara comete um crime e a sua família passa a receber um salário enquanto ele estiver preso.
A família da vitima essa não recebe nada. É a mais completa inversão de valores de que se tem noticia. O governo está tentando corrigir séculos de injustiças sociais criando um monstrengo em que se confunde injustiça social com premiação da criminalidade.
Aliás, que se diga uma coisa, é fundamental que se discuta quais são os fins e quais as finalidades de todas as bolsas criadas nestes últimos anos. Evidentemente que as injustiças e disparidades existentes na sociedade devem ser corrigidas, mas não é distribuindo pequenas quantias em dinheiro que mudará alguma coisa.
A educação pública faliu, a saúde é uma tragédia no pais inteiro, a segurança pública não existe e cada vez mais as ruas são uma escola do crime. O uso de drogas é corriqueiro e transforma gerações de jovens em zumbis dependentes de sua dose diária de droga. Enquanto isso o Brasil é o pais das bolsas sociais. Que se são importantes num primeiro momento para as famílias que dela dependem, não podem ser um fim em si mesmo, ou seja, como estas famílias viverão depois.
Esta é a pergunta. Um pai não se constrói apenas com bolsas, que se são importantes não são a solução. O que tenho visto é que o trabalho não é mais um valor, a justiça quem faz são os espertos, ética virou coisa de otário, o respeito pelos mais velhos é bobagem, os valores religiosos são tratados como coisa de gente atrasada. Isso tudo não é modernidade é decadência.
Assaltos e roubos em Rio Preto ficam cada vez mais ousados, e o que era uma realidade a atormentar a vida das pessoas em bairros afastados da cidade, é uma realidade cada vez mais presente na região central da cidade.
Os ladrões que antes se contentavam com o fácil agora roubam caixas eletrônicos, assaltam as casas mesmo com os donos dentro delas, e se antes assaltavam tentando evitar perdas humanas, agora matam a qualquer sinal de reação.
Aliás, reagir é quase uma sentença de morte. enquanto isso vemos o governo dando bolsa bandido. Alguém que seja preso depois de um crime passa a receber uma indenização encaminhada a família do criminoso. Me parece que é algo em torno de 700 reais. O cara comete um crime e a sua família passa a receber um salário enquanto ele estiver preso.
A família da vitima essa não recebe nada. É a mais completa inversão de valores de que se tem noticia. O governo está tentando corrigir séculos de injustiças sociais criando um monstrengo em que se confunde injustiça social com premiação da criminalidade.
Aliás, que se diga uma coisa, é fundamental que se discuta quais são os fins e quais as finalidades de todas as bolsas criadas nestes últimos anos. Evidentemente que as injustiças e disparidades existentes na sociedade devem ser corrigidas, mas não é distribuindo pequenas quantias em dinheiro que mudará alguma coisa.
A educação pública faliu, a saúde é uma tragédia no pais inteiro, a segurança pública não existe e cada vez mais as ruas são uma escola do crime. O uso de drogas é corriqueiro e transforma gerações de jovens em zumbis dependentes de sua dose diária de droga. Enquanto isso o Brasil é o pais das bolsas sociais. Que se são importantes num primeiro momento para as famílias que dela dependem, não podem ser um fim em si mesmo, ou seja, como estas famílias viverão depois.
Esta é a pergunta. Um pai não se constrói apenas com bolsas, que se são importantes não são a solução. O que tenho visto é que o trabalho não é mais um valor, a justiça quem faz são os espertos, ética virou coisa de otário, o respeito pelos mais velhos é bobagem, os valores religiosos são tratados como coisa de gente atrasada. Isso tudo não é modernidade é decadência.
Assaltos e roubos em Rio Preto ficam cada vez mais ousados, e o que era uma realidade a atormentar a vida das pessoas em bairros afastados da cidade, é uma realidade cada vez mais presente na região central da cidade.
Os ladrões que antes se contentavam com o fácil agora roubam caixas eletrônicos, assaltam as casas mesmo com os donos dentro delas, e se antes assaltavam tentando evitar perdas humanas, agora matam a qualquer sinal de reação.
Aliás, reagir é quase uma sentença de morte. enquanto isso vemos o governo dando bolsa bandido. Alguém que seja preso depois de um crime passa a receber uma indenização encaminhada a família do criminoso. Me parece que é algo em torno de 700 reais. O cara comete um crime e a sua família passa a receber um salário enquanto ele estiver preso.
A família da vitima essa não recebe nada. É a mais completa inversão de valores de que se tem noticia. O governo está tentando corrigir séculos de injustiças sociais criando um monstrengo em que se confunde injustiça social com premiação da criminalidade.
Aliás, que se diga uma coisa, é fundamental que se discuta quais são os fins e quais as finalidades de todas as bolsas criadas nestes últimos anos. Evidentemente que as injustiças e disparidades existentes na sociedade devem ser corrigidas, mas não é distribuindo pequenas quantias em dinheiro que mudará alguma coisa.
A educação pública faliu, a saúde é uma tragédia no pais inteiro, a segurança pública não existe e cada vez mais as ruas são uma escola do crime. O uso de drogas é corriqueiro e transforma gerações de jovens em zumbis dependentes de sua dose diária de droga. Enquanto isso o Brasil é o pais das bolsas sociais. Que se são importantes num primeiro momento para as famílias que dela dependem, não podem ser um fim em si mesmo, ou seja, como estas famílias viverão depois.
Esta é a pergunta. Um pai não se constrói apenas com bolsas, que se são importantes não são a solução. O que tenho visto é que o trabalho não é mais um valor, a justiça quem faz são os espertos, ética virou coisa de otário, o respeito pelos mais velhos é bobagem, os valores religiosos são tratados como coisa de gente atrasada. Isso tudo não é modernidade é decadência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…