Pular para o conteúdo principal

Anorexia

Comportamento Alimentar
Renato Dias Martino


Muitos são os atalhos tomados quando o assunto é sobre as formas que podemos experimenta a angustias, emoções e comportamentos. Contudo, a escolha do atalho talvez não seja o melhor recurso se o assunto é o aparelho psíquico ou em outras palavras, as vicissitudes da alma. Os ditos Transtornos Alimentares descritos nos compêndios psiquiátricos (CID-10, F 50), como a anorexia e a bulimia, são geralmente diagnosticados focando-se uma distorção na auto-imagem e relacionados à pretensão da beleza estética corporal. Usando unicamente esse ponto de vista, temos então, um quadro que a partir de padrões de beleza corporal pré-estabelecidos, gira em torno do desejo por um corpo belo.
Seguindo este ponto de vista de maneira exclusiva, a prática psicoterapêutica com uma paciente dessa ordem, estaria na tarefa de reconstruir o ideal do corpo, ou seja, o que se pretende como forma estética física. Mas, penso que a questão está bem mais profundamente implicada do que na superfície do ser humano, onde se encontra o corpo físico.
Não é novidade alguma que a alimentação é uma das formas mais primitivas de contato, aproximação e vinculo entre os animais mamíferos e sobre tudo o ser humano. Na relação mãe-bebê, o contato feito a partir da amamentação é sem duvida o ponto de partida do contato da nova vida que nasce com o mundo externo.



Para Sigmund Freud (1856-1939), em 1905, as fases do desenvolvimento sexual da criança têm inicio na “fase oral”. Aqui lembrando a importante informação de que, para Freud o sexo é antes de tudo um representante de Eros, aquilo que nos liga, ou nos vincula ao outro, primariamente desvinculada da função genital. Freud (1905) postula que nessa primeira fase, chamada “oral”, a boca seria a via de comunicação com o mundo externo. A relação que a criança faz entre leite (seio) e amor é algo que orienta o rumo de uma boa alimentação e a transição do leite para o alimento sólido. Essa experiência transcende o vínculo primário com a mãe quando é então criado, a partir daí, um modelo de relações afetivas interpessoais posteriores, na sua vida adulta. Enquanto mama, o bebê não esta simplesmente se alimentando, mas, realizando uma das mais importantes experiências de sua vida. Se até aqui concordamos com essa direção do pensamento, podemos supor que a maneira como o bebê vive essa experiência e a possibilidade de simbolizar esta vivência como boa e prazerosa, servirá de base para toda a vida afetiva e diretamente influenciará na forma da alimentação adulta.
O que seria então um transtorno alimentar se não uma maneira de evitar (defesa) algo que se sente como conflituoso e gerador de ansiedade, depressão, ou certa sensação tão desprazerosas que nunca tiveram a chance de serem nomeadas?
Penso então, como seria o habito alimentar daquele que quando bebê, a mãe (provavelmente despreparada para a função) sente como angustiante e até doloroso o ato de amamentar, assim como na tão falada depressão pos-parto? Além de que a percepção de fatos emocionais é particularmente intensa nos bebês, a relação mãe-bebê, principalmente nesta fase, é extremamente próxima. Essa relação que tem sua gênese numa ligação fisicamente simbiótica. Desse modo, a menor manifestação emocional de um, é logo percebida pelo outro, mobilizando em ambos, mecanismos internos de defesa.




Partindo do principio que, entre amor e alimento existe uma relação especial, perceber a insegurança na mãe, associada ao alimento que o nutre, pode tornar-se um forte gerador de culpa. Dessa forma, percebemos que, o conflito transcende a percepção corporal consciente, daquele que deseja ter um corpo belo. A figura de alguém muito magro é antes de tudo a figura de alguém do qual consumiu pouco alimento. Daí repensarmos as patologias alimentares como o bulemico, que vomita o alimento, por culpa de tê-lo comido e o anorexo que evita a comida, deixaria a problemática da estética corporal relegada a um segundo plano. A beleza corporal fica apenas como resultado de um complexo processo onde, quando um se nutre o outro sofre.
Nesse processo se encontraria de um lado extremo tais transtornos e de outro a obesidade. Enquanto um imagina que só será amado se não comer, o outro procura preencher sua falta afetiva comendo.
Quero observar a condição poética que se pronuncia nesse material clínico que apresento. Frases recolhidas em minha experiência com pacientes dessa ordem, cujo texto foi minimamente ajustado para apresentar-se como tal.
 
‘Me sinto nojenta com o estômago cheio’
‘Me vem a culpa e eu vomito’
‘Quanto mais eu como menos me sinto amada’
‘Quanto menos cheio mais bonito’
‘Para ser amada me privo da comida’
‘Quando estou gorda me sinto ma’*


*(Frases retiradas de fragmentos de sessões com pacientes com queixa de transtornos alimentares.)
 
 
 
Prof. Renato Dias Martino
Psicoterapeuta e Músico
Fone: 17-30113866
renatodiasmartino@hotmail.com

http://pensar-seasi-mesmo.blogspot.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…