Pular para o conteúdo principal

Nossa máscara de Tiririca



Carnaval, parada gay, micareta, carna rio preto. Teve um tempo que festas eram a do padroeiro, e do dia da cidade.
De repente estamos cercados de festas, especialmente estas a que me referi. Estamos cercados por um circuito de rodeios na região, cada cidade realiza o seu em finais de semana alternados. Segundo me disse um jornalista da TV tem, parece que os maiores e mais freqüentes acidentes nas estradas da região se dão na madrugada quando jovens voltam destas festas embriagados para sua cidade de origem.
Muita festa pode significar incapacidade de ficarmos quietos, em silencio. Quando toda uma sociedade faz festa todo tempo, talvez seja por que não consegue mais se pensar, pensar suas prioridades, suas necessidades. Pensar para onde está indo e como anda a vida.
Não tenho certeza, mas me parece que decadência vem sempre antecedida por uma festa. O fim da monarquia no Brasil aconteceu com um Baile. A decadência do império Romano encontrou uma corte festiva tendo como anfitrião o famoso Calígula.
A revolução francesa abrigava uma corte de aristocratas pouco interessados em se desfazerem de sua vidas de prazeres e bebidas, acabaram todos guilhotinados.
Não sei se estamos prestes a viver uma decadência, mas quando sou informado de que as máscaras do Tiririca são as que mais vendem pro carnaval, só consigo pensar que talvez estejamos querendo um pouco de tragédias.
A eleição e agora as mascaras que vendem como água, dizem mais sobre nós mesmos do que sobre os políticos. Numa festa em que vou com uma máscara de palhaço quero dizer algo, numa festa onde todos colocam a mesma mascara de palhaço as pessoas querem dizer algo para si mesmas.
As festas que não acabam e agora as mascaras que estamos alegremente vestindo nos dizem muito sobre nosso próprio estado. As festas geralmente são para comemorar, quando faço festas demais ou tenho muitas coisas para comemorar ou estamos perdidos de nós mesmos. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…