Pular para o conteúdo principal

A ilusão de não ver



Meus alunos do colegial me disseram estes dias que minhas aulas os deixam desanimados, frustrados e tristes. Pedi para que falassem desse sentimento.
Disse aos alunos que a disciplina de Sociologia visa nos esclarecer sobre os problemas da sociedade, nos fazer ver as razões escondidas por trás dos dramas da sociedade, da exploração, crise ambiental etc.
De repente uma aluna virou e disse que ela não quer saber de nada disso que prefere viver na ilusão de que não há problema algum. Uma outra aluna disse que queria ser adolescente para sempre. Não ficar adulta nunca.
Percebi que os adolescentes, não todos, mas pelo uma parte deles tem grande dificuldade de lidar com a idéia de que as coisas estão mal como estão. Crise ambiental, criminalidade, dissolução da família, o melhor seria não pensar em nada disso.
Esse enterrar a cabeça no chão para nada ver é sem dúvida nenhuma bastante infantil, como as crianças que para se esconderem de seus pais cobrem a cabeça com uma coberta.
Esse desejo de esconder-se dos problemas, ou viver como se eles não existissem revela, de um lado, uma enorme imaturidade, muitas vezes não apenas dos adolescentes, mas também de muitos adultos, e, de outro, um sentimento de impotência diante dos desafios colocados à sociedade na atualidade.
Ao mesmo tempo que vivemos graves problemas convivemos com uma tentativa de dizer que tudo está bem. Como você está?, estou bem. Sentimento esse alimentado por uma literatura de auto ajuda que mascara os problemas e impede que os vejamos como são. O desejo de imaginar que estando eu bem tudo melhora, está ao lado de uma obsessão profunda consigo mesmo, com a própria beleza, com o próprio corpo.
Tentamos não ver o mundo a nossa volta nos escondendo em nosso corpo. É claro que aqui convivem dois sentimentos, o da impotência diante da dimensão do que estamos vivendo e a idéia de que sendo feliz individualmente posso passar ao largo dos problemas e dramas da sociedade atual. Não podemos.
A sociologia assusta os alunos, ou lhes provoca medo por que desmascara nossos truques, revela a mentira de nossas tentativas em não vermos a realidade. Por isso que todos preferimos livros de auto ajuda e filmes românticos de vampiro, são palatáveis e não entram em conflito com nosso desejo em continuarmos não vendo. Ou como disse a aluna, prefiro continuar na ilusão. L.A

Comentários

Este comentário foi removido pelo autor.
Interessante!
Já havia escutado pela rádio.
Estou em total acordo!
Um forte abraço!
Isabela Furquim disse…
Quando era pequena, não sabia de mortes, não sabia de fome, não sabia de preconceito, não sabia de capitalismo. Doce infância. Pois se não sei, não há nada que eu possa fazer para ajudar. O romantismo em que somos criados é lindo ou terrível? Terrível para mim é ver gente passando fome enquanto eu reclamo de comer filé de frango pela terceira vez na semana. O problema é que quando você vê uma pessoa bocejar, tem vontade de bocejar também. Lutemos contra cruel comodismo. Professor, você não nos deixa esquecer o que nos atormenta a cabeça, lembrando de mostrar a verdadeira felicidade. Ninguém me disse que viver não era fácil.
(segue o link do texto que queria te mostrar: http://ideiasempretensao.blogspot.com/2011/01/um-texto-sobre-trava-que-impede-o-ser.html )

Abç, um bom final de semana para você e sua bicicleta.

Isabela Furquim, sua aluna do primeiro colegial.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…