Pular para o conteúdo principal

Mário Covas e por que a politica empobreceu

Lembranças de Covas

Por sventura_sp
Mário Covas representava, talvez com Franco Montoro, a coerência das linhas que formaram o então novo PSDB, um partido jovem que traria o melhor da esquerda moderada brasileira, mais interessada em modernizar o Estado, sem necessáriamente sucateá-lo, e as economia brasileira, permitindo o crescimento competitivo do país perante um mundo que se tornava, já em fins dos anos 80, globalizado.
Ao assumir o governo do Estado de São Paulo, Covas enfrentou graves problemas, a começar pela bancarrota do Estado provocada pelos governos anteriores, e em seguida problemas causados pelo próprio Governo do Presidente Fernando Henrique, que atrelou a rolagem da dívida do Estado à privatização do Banespa, ao comprometimento de parcela considerável da receita para o pagamento dessas dívidas, assim como o reajuste da mesma de forma a provocar seu rápido crescimento.
Ainda assim Covas teve força para sanear o Estado, deixando-o em boas condições para Alkmin, aliás, é da época de Covas os últimos exemplos de investimento real no metrô de São Paulo, com a ampliação da linha norte-sul (azul), do ramal paulista e da retomada da linha leste-oeste (vermelha), cujar novas estações após Itaquera foram incorporadas à CPTM, também é de sua gestão a melhoria e modernização do transporte metropolitano de trens, sucateado desde início dos anos 80.
Covas também deve ter ficado indelevelmente ligado a dois atos: ao enfrentamento pessoal dos professores do Estado, em frente à Secretaria da Educação, quando levou inclusive uma cadeirada (ele não mandava o pelotão de choque bater nos professores enquanto se escondia no Palácio dos Bandeirantes como um político célebre por suas fugas e mandatos deixados pela metade); e sua subida ao palanque para apoiar Marta, então candidata à Prefeitura de São Paulo, contra Maluf, a quem Covas sempre se opôs com coerência.
Gente como Covas, assim como Ulisses e Tancredo, nos fazem falta hoje, fazem falta à oposição, que se tornou um balaio de gatos e interesses mesquinhos e falta de coerência, com isso quem perde é o Brasil e seu povo, assim esperamos que o dia de hoje leve algumas das lideranças políticas mais jovens a refletir sobre coerência, ideologia e postura a serem adotadas no futuro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…