Pular para o conteúdo principal

Internet e a pirataria nos celulares

 

Daniel dos Santos

Por Daniel dos Santos . 01.03.11 - 15h07

Jailbreak: quando seu celular vira coisa de hacker

Jailbreak. Se você não é um grande fã de tecnologia (o “geek” da turma), provavelmente nunca ouviu falar nesse termo. Mas saiba que ele identifica uma tendência curiosa, fruto da sofisticação cada vez maior dos celulares: seu telefone está virando coisa de hacker.
Isso mesmo. Os chamados  smartphones são verdadeiros computadores, com sistema operacional, processadores dual core, navegação na Internet…  E os hackers descobriram que é possível fazer com eles muito mais do que os fabricantes de telefones gostariam.
Resultado: criam ferramentas que permitem “libertar” os aparelhos para, por exemplo, fazer o desbloqueio de operadora. Com isso, um iPhone vendido nos Estados Unidos para trabalhar apenas com a rede da AT&T, por exemplo, pode funcionar no Brasil com Vivo, Claro, Tim, Oi…
Com o aparelho destravado, dá para também baixar programas que não foram aprovados pela Apple e que permitem fazer coisas igualmente “proibidas” pela empresa, como usar o telefone como um hotspot Wi-Fi (ou seja, o smartphone compartilha o acesso à Internet sem fio com outros aparelhos, como notebooks ou tablets, como o iPad).
Smartphones: alterações no software liberam recursos "proibidos" e aplicativos
Aparelhos com sistema operacional Android, da Google, também podem sofrer modificações, processo conhecido como root, nessa plataforma. Ao alterar as configurações do sistema é possível fazer coisas que deveriam ser banais e não “saem de fábrica”. Capturar uma tela de um programa, por exemplo, no Android, só fazendo root.
As empresas não costumam gostar de coisas como o Jailbreak, por perderem o controle sobre seu produto e até enfrentarem a pirataria (que também rola solta em lojas como Cydia, disponível para aparelhos como o iPhone, iPod e iPad). Mas vale lembrar que destravar o aparelho não é crime.  Nos Estados Unidos, a prática foi considerada legal pela Justiça, que concluiu que o usuário tem o direito alterar seu equipamento.
Por enquanto, os processos para alterar as configurações dos celulares ainda são complexos para o usuário comum, mas têm evoluído nos últimos tempos (no ano passado foi criado o jailbreak.me, que permitia fazer o desbloqueio do iPhone com apenas um toque, mas ele perdeu sua utilidade, após a Apple liberar uma atualização que “matava” esse recurso). Quem quiser saber mais sobre o tema, pode visitar páginas como o Blog do Jailbreak.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…