Pular para o conteúdo principal

Fundação Cultural de Paraibuna

Relatório de Atividades - 6 meses da nova gestão

Em outubro a Fundação este representada por seu presidente no encontro de Dirigentes Culturais do Cone Leste Paulista em Pindamonhangaba.
Em novembro criamos o Roteiro Cultural, que conta um pouco da história de Paraibuna através dos Largo da Matriz, Largo do Rosário, Largo do Mercado, Bica D’água e Cemitério.
Iniciamos a ampliação do projeto de descentralização de atividades.
Em dezembro uma série de atrações musicais, da música instrumental ao canto coral.
Adequamos a utilização das salas e a disposição interna de móveis.
Estabelecemos critérios para a seleção e remuneração dos monitores de oficinas e demais prestadores de serviços, conforme seu grau de escolaridade e experiência.
Organizamos o trabalho dividindo-o em Núcleos, e agora temos:
Núcleo de Oficinas; Núcleo de Comunicação, Criação e Arte; Núcleo de Acompanhamento das Comissões; Núcleo de Patrimônio Histórico; Núcleo de Eventos.
Em janeiro o nosso site já estava no ar, com nossa agenda cultural, calendário de reuniões das comissões municipais setoriais e do conselho deliberativo, atas das reuniões e balancetes mensais e por evento – dando o máximo de transparência ao trabalho.
Promovemos o Bate-Papo Institucional com a Cooperativa de Música de São Paulo.
Idealizamos e realizamos uma troca de experiências através da 1ª Conferência de Dirigentes Culturais e aproveitamos para liderar uma articulação para o Fórum Estadual de Dirigentes Culturais – FECULT.
Em Santos, participamos do FECULT e através de nossa articulação conseguimos o cargo de diretor de comunicação (Guaratinguetá), diretor de eventos (Iguape) – dentro da diretoria executiva do fórum e ainda 3 cargos de membros do conselho administrativo do FECULT (São José dos Campos, Bertioga e Paraibuna).
Em fevereiro estivemos presentes no Encontro Estadual de Dirigentes de Cultura a convite do Sr. Andrea Matarazzo – Secretário Estadual de Cultura no Memorial da América Latina.
Iniciamos as Oficinas Culturais Regulares (que acontecerão até novembro), destaque-se as oficinas de música que tem um curso de teoria musical obrigatório para todos os instrumentos, ou seja, um dia de aula prática outro de aula teórica.
Em Março inauguramos nossa Sala de Exposições com três acervos distintos que contam parte da história de Paraibuna.
Em parceria com as escolas municipais daremos continuidade ao projeto de descentralização das atividades: CATE, Otacília, Santinha Moura receberão oficinas culturais.
Ainda em conjunto com a rede municipal de ensino realizaremos um concurso de conto e ilustração sobre as lendas da cidade.
Desde outubro retomamos o processo judicial para regularização das atas e estamos próximos de uma conclusão final que possibilitará a Fundação sua efetiva regularização e adequação de seu estatuto ao Código Civil 2002 (o que é obrigatório) e a adequação a nova realizada em que vive a instituição, afinal já se passaram 16 anos desde o início de seu trabalho.

E vamos iniciar uma campanha de marketing para consolidação da Fundação Cultural como órgão de gestão e promoção da cultura.
Paraibuna sem dúvida é referência de diversidade cultural na região e a Fundação Cultural tem que ser referência de trabalho em seu setor.

Acesse o site da Fundação Cultural e saiba mais detalhes sobre a nova Fundação Cultural.

Há também o link para as matérias no site da Prefeitura de Paraibuna:


 
Rafael Ribeiro
Diretor-Presidente
Fundação Cultural Benedicto Siqueira e Silva
12 3974-0716

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…