Pular para o conteúdo principal

Foco Profissional





A maioria das pessoas vive pressionada pela necessidade de alcançar o sucesso rápido nas finanças como meio de realizar todos os seus desejos. Entretanto, tantos sonhos e objetivos de vida, se não forem bem compreendidos e trabalhados, em vez de levar a pessoa à conquista dos seus ideais, faz com que ela se perca num emaranhado de ideias e pensamentos. Sendo assim, ao invés de levar à realização, essa confusão nos deixa ansiosos, confusos e até deprimidos, sem nunca conseguir concretizar os sonhos.

Muitas vezes sou procurado por pessoas que já tiveram muitos empregos, iniciaram vários projetos, abriram e fecharam diversos negócios e nunca conseguiram concretizar seus objetivos. Essas pessoas se consideram inteligentes e frequentemente têm ideias brilhantes para ganhar dinheiro. Concluem duas ou três faculdades, fazem diversas especializações e cursos em várias áreas, mas nunca se firmam na vida profissional e financeira.

Enquanto isso, outras pessoas iniciam um trabalho aparentemente sem grandes expectativas e, de repente, as coisas começam a fluir. É o exemplo de Ricardo Nunes, que abriu uma barraquinha onde vendia brinquedos baratos, bijouterias e bichinhos de pelúcia e atualmente é dono da Ricardo Eletro. Samuel Klein começou vendendo panelas e roupas de cama nas ruas e fundou as Casas Bahia. Raquel Pacheco saiu de casa, sem emprego, iniciou seus esforços literários através de um blog, onde comentava sua rotina como prostituta. Hoje tem seus três livros publicados no Brasil e em mais de dez países da Europa, além de já ter um filme baseado em sua vida: "Bruna Surfistinha".

O caminho para o sucesso



Afinal, qual é a diferença entre as pessoas que nunca se firmam na vida das que chegam rapidamente ao sucesso pessoal, profissional e financeiro? Uma única palavra responde a essa pergunta: foco. O segredo do sucesso na profissão e nas finanças está em identificar o seu talento, aquilo que você gosta e sabe fazer bem. Depois disso, inicie um projeto e não desista até conseguir.

Pessoas sem essa preciosa qualidade têm mil ideias brilhantes, iniciam vários projetos, mas não concluem nenhum, pois logo desistem quando encontram dificuldades. Além disso, nunca estão satisfeitas com suas escolhas e costumam ficar sempre ansiosas porque as coisas não andam. Uma característica em comum dessas pessoas é a falta de persistência. Geralmente este tipo possui muito talento e sabe como ganhar dinheiro, mas desiste justamente quando está prestes a alcançar o sucesso. "Noventa por cento das pessoas desistem quando estão apenas a 10% de conseguirem seus objetivos" sugere Robert Anthony, em seu livro Random Wisdom, ainda sem editora no Brasil.

As pessoas bem-sucedidas que conheço, ao contrário do tipo descrito acima, não se consideram muito talentosas. Iniciam um pequeno negócio, com pouco investimento, trabalham com empenho para vender suas ideias e persistem naquele projeto mesmo quando as coisas vão mal. Essas pessoas não começam um negócio porque está dando dinheiro, mas fazem o que gostam e sabem fazer bem. Procuram parceiros que se interessem por seus planos e transformam essas ideias em projetos. É este tipo de atitude que lhe levará ao sucesso nos negócios.

Escolhendo a profissão



Muitos jovens são influenciados pelos pais, colegas e por instrumentos de informação sobre qual carreira dá mais dinheiro. Milhares de adolescentes estão fazendo cursos na área de óleo e gás, informática, comércio exterior, logística e administração, somente porque são áreas em expansão, onde há uma demanda de mão de obra qualificada. Muitas dessas pessoas sequer avaliam se gostam ou possuem talento para atuar nessas profissões.

O desfecho é sempre o mesmo. Depois de investir alguns anos nessas atividades, os jovens se decepcionam e começam uma nova busca pelo sucesso. Não compreendem que não há nada de errado com a profissão que escolheram, que o erro está no seu modo de pensar e na falta de foco e objetivo.

Mais importante do que saber o caminho para o sucesso financeiro é ter em mente o que você jamais faria por dinheiro. O sucesso da Bruna Surfistinha está levando milhares de jovens a se prostituir, achando que vão ganhar a mesma fama da moça. O mesmo motivo faz com que centenas de milhares de jovens queiram ser jogadores de futebol só porque Ronaldinho está ganhando milhões de reais por mês.

Hora de estabelecer metas



Além do foco, as pessoas de sucesso têm clareza de objetivos e estabelecem metas de curto, médio e longo prazos para a sua vida. Bill Gates anunciou vinte anos antes que iria se aposentar e dedicar sua vida a causas sociais. No ano 2000 criou a Fundação Bill e Melinda Gates, que é uma das maiores fundações de caridade do mundo.

Essas pessoas não trabalham por dinheiro e sim pelo ideal de fazer a diferença, de contribuir para um mundo melhor. Este tipo possui uma missão de vida, com profundos valores morais, sociais e pessoais. Afinal, planejamento, metas, foco, clareza de objetivos, valores, missão e satisfação pessoal são os ingredientes que impulsionam pessoas no mundo todo em direção do sucesso. O dinheiro vem com facilidade para elas, mas não é isso que as move.

"A genialidade é 1% inspiração e 99% transpiração", dizia Thomas Edson, que fez mais de mil tentativas antes de inventar a lâmpada incandescente. Pode-se afirmar que as características mais marcantes deste grande homem foram foco e persistência. Edson passava semanas estudando, escolhendo um projeto ao qual se dedicar. E uma vez iniciada uma pesquisa, ele não desistia enquanto não conseguisse finalizar.

Sendo assim, podemos concluir que não importa o negócio ou a profissão que você decida trilhar, desde que sua escolha seja consciente e cheia de convicção. Dedique o tempo necessário ao estudo e planejamento antes de escolher seu empreendimento. Ressalto mais uma vez que não se escolhe uma carreira pensando no retorno financeiro e sim na vocação que você possui. Depois disso, dedique toda energia e pensamento ao projeto. Não desista diante das dificuldades. Persista até vencer e o sucesso será a sua merecida recompensa.

Esta matéria foi útil para você?

SOBRE O AUTOR
Claudio Domingos
Trainer internacional e consultor de empresas com mais de vinte e cinco anos de experiência em desenvolvimento de pessoas e formação de líderes em grandes organizações. Especialista em aprendizagem acelerativa. Saiba mais »

Comentários

matheus disse…
olá luciano quero lhe informar que no meu blogger
o poeta - http://mateuspoeta.blogspot.com/ tem um
selo de qualidade para seu blogger se quiser me visite.
muito obrigado,tchau

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…