Pular para o conteúdo principal

Educação e politica


Educação alta entre árabes dá o combustível para protestos


A maioria dos observadores da atual turbulência no mundo árabe concorda em um aspecto: foi inesperada.
No entanto, fatores plenamente visíveis -relacionados à educação, à demografia e à falta de oportunidades econômicas- já apontavam para maior instabilidade.
Está fartamente documentado que pessoas mais educadas são mais propensas a participar de atividades políticas -do voto aos protestos.
No entanto, como demonstra pesquisa conjunta minha com o professor Davin Chor, da Singapore Management University, essa ligação condiciona-se à disponibilidade de oportunidade s.
Habilidades adquiridas pela educação conduzem a aumento da disposição de se envolver em política e da efetividade do envolvimento.
Contudo, se elas são recompensadas em outras atividades, é menos provável que sejam utilizadas para fins políticos. Os países onde as oportunidades são abundantes exibem menos engajamento político por parte de pessoas instruídas -precisamente o tipo de envolvimento que é mais assustador para os regimes autoritários.
O mundo árabe não tem sido um modelo de dinamismo econômico. As economias da região não são voltadas para atividades que usam intensivamente o "capital humano" adquirido via educação.
Menos reconhecido é o fato de que vários desses países estão entre os que mais têm investido em educação. Dados compilados para 104 países pelos economistas Robert Barro e Lee Jong Wha mostram que, entre 1980 e 1999, o Egito foi o quinto país onde mais cresceram os anos de escolaridade média -135% .
A Tunísia vem não muito atrás, com mais de 70% de aumento. De nove membros da Liga Árabe incluídos, oito encontram-se entre os 25 países no topo da lista.
Há portanto um cenário no qual uma enorme quantidade de jovens árabes encontra-se muito mais educada que seus pais e avós. Na falta de oportunidades econômicas, esse contingente dedica as habilidades adquiridas às atividades políticas -das páginas do Facebook à organização de protestos.
Ao investirem em educação sem proporcionarem oportunidades condizentes, os autocratas árabes contribuíram enormemente para a situação que ora os aflige -para sorte da democracia.


FILIPE CAMPANTE é professor-assistente de políticas públicas da Universidade Harvard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…