Pular para o conteúdo principal

Paraibuna


O Esporte em Paraibuna está doente
Luciano Alvarenga

Já faz pelo menos uns 7 ou 8 anos que venho escrevendo sobre Paraibuna, sua gente, seus líderes, sua cultura. Tenho mais de cem textos escritos. Todas às vezes que escrevo a repercussão é maior ou menor dependendo da pessoa ou fenômeno abordado. Mas fiquei impressionado com a repercussão do texto “Laurinho do Esportinho”. Mas eu sei por que.
O Sr. Laurinho jamais deveria ser Diretor de Esportes. Não tem nenhuma ligação com esporte, não é esportista, não escreve sobre e nem mesmo a Educação, que é uma dimensão fundamental do esporte, ele conhece ou dá importância. Esta no cargo por razões que ninguém sabe quais, por vontade de desenvolver um trabalho ou projeto é que não é, coisas da política.
Segundo me disseram duas dúzias de pessoas, pelo menos, foi visto embriagado numa Micaúna. Triste. Disseram-me que a Micaúna foi idéia do Sr. Laurinho. Micaúna, aliás, que é uma idéia das piores que se pode ter na cidade. Ao contrário de ser um evento de música e cultura se transformou num centro para consumo exagerado de cerveja e drogas de todo tipo. Micaúna, nascida das micaretas da Bahia é na verdade a exportação do uso de drogas em eventos públicos e com a permissão da sociedade. É a licença para usar drogas à vista de todos.
Usando o cargo mais para status e autopromoção, não trabalha nem deixa que trabalhem. Como o principio que move o Diretor de Esportes de Paraibuna não é o esporte nem sua capacidade de transformação e educação de jovens e crianças, acaba que o referido não trabalha e impede que trabalhem aqueles que ocupam cargos nessa pasta. Segundo dizem, persegue os profissionais que querem trabalhar. Lamentável.
Não faço idéia do porque o Sr. Laurinho ainda se sustenta no cargo dado a completa incompetência que sempre demonstrou para a função.
O esporte é uma diretoria fundamental numa cidade onde pouquíssimo há de lazer e cultura para jovens e crianças. Ainda mais num contexto de epidemia de drogas, inclusive cerveja, que estamos assistindo no Brasil e em Paraibuna particularmente. A pessoa que deseja ocupar função pública deve ser orientada fundamentalmente pelo desejo de servir a cidade, ser exemplo.
É inaceitável que um cargo, seja qual for, mais ainda este, o de Diretor de Esportes, fique parado, estéril, improdutivo, quando a cidade clama por opções de esportes e lazer, quando vemos a imensa quantia de jovens da cidade encostados nos muros e avenidas sem nada fazerem. A cada projeto não realizado tem como conseqüência uma infinidade de pessoas que poderiam não ter usado drogas e estão usando. A cada dia que passa sem que nada aconteça soma-se o número de famílias desesperadas ao verem seus filhos se perdendo em caminhos que poderiam ser evitados caso o setor de esportes da cidade estivesse fazendo sua parte e não faz. O tempo da brincadeira acabou, a sociedade urge por respostas, clama por soluções, e não tolera mais tais coisas. A população de Paraibuna, e mais ainda aquelas que trabalham no esporte, podem estar quietas em relação a este como qualquer outro problema, mas silencia por medo de possíveis perseguições e retaliações.
Deixo claro que este texto assim como o outro não partiu de mim, partiu da indignação de pais de família, jovens e pessoas de bem da cidade que querem ver, também os esportes, conduzido da mesma maneira séria que outros setores da prefeitura. Luciano Alvarenga, Sociólogo


Comentários

ShorusBlog disse…
Olá Luciano!

Sem dizer que Paraibuna poderia conceber um atleta brilhante. Seja no atletismo, ou no futebol.
Investindo em outras modalidades de esporte em ascensão Paraibuna seria um diferencial.

Abç
Daniel Shorusgol

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…