Pular para o conteúdo principal

Os grandes bancos nunca perdem

Os grandes bancos nunca perdem

Do Blog Contexto Livre
O que fazer, entretanto, se o problema é sistêmico? Se há um crash no valor de todos os ativos, como ocorreu no colapso dos mercados acionário e imobiliário nos Estados Unidos? O papelório simplesmente perdeu o lastro. Como os bancos estavam extraordinariamente alavancados, endividando-se de modo a carregar ativos em até 40 vezes seu patrimônio, uma queda de apenas 2,5% no preço desses ativos quebraria o sistema financeiro.
Ora, os preços das ações, dos imóveis e dos derivativos tóxicos caíram muito mais que isso, o que significa que o sistema financeiro poderia ter literalmente se evaporado. Foi esse pânico que permitiu a captura de Washington por Wall Street. Em vez de garantir os pequenos depositantes, os contribuintes de Barack Obama foram chamados a garantir a sobrevivência de práticas bancárias irresponsáveis e investidores inconsequentes. É o capitalismo dos financistas. Angela Merkel, sob pressão da opinião pública alemã, tem discordado dessa solução de blindagem dos grandes investidores, que transfere todo o ônus aos contribuintes, no equacionamento da crise bancária europeia.
Chegamos então ao trabalho investigativo da minha, da sua, da nossa Míriam Leitão no colapso do Banco PanAmericano. Eremildo, o Idiota, criado por Elio Gaspari, suspeitaria que o PanAmericano é mais um caso de incompetência e fraude do que de uma crise sistêmica: "Havia carteiras falsas, créditos inexistentes, créditos pré-pagos registrados como recebíveis, além de ativos já vendidos e mantidos na carteira como seus." Segundo as fontes de Míriam, "todos tinham muito a perder: os grandes bancos, o Banco Central, a Caixa, o Fundo Garantidor de Crédito e o candidato a comprador. A bicicleta tem de andar". Concluiria Eremildo: "Grandes bancos nunca perdem: chamem um ciclista."
Confundir a necessidade de garantir depósitos de clientes de baixa renda com a salvação de bancos e a blindagem de investidores é o ovo da serpente que quase leva a maior economia do mundo à desintegração.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…