Pular para o conteúdo principal

Homens discutem a relação sim


Imagine uma reunião de homens, todos amigos ou colegas, reunidos de madrugada, entre 10 horas e 3 da manhã, falando do assunto preferido dos homens, não é futebol, todos riem, conversam e se olham, e depois de tanto conversarem saem mais felizes do que entraram. Imaginou?
Pois é, não é o que você pode estar pensando. Estes homens, todos casados, com filhos ou não se reuniram para conversar sobre suas mulheres, seus casamentos, sua vida a dois, a família, suas dificuldades.

Diferentemente de se afundar nos problemas de uma relação a dois que quase sempre acaba em separação quando não se procura saída, estes homens preferiram se encontrar para fazer uma espécie de terapia de grupo, mas é mais do que isso, trata-se de amigos e colegas da comunidade de Santa Edivirges na Vila Toninho, pessoas que participam da comunidade, atuam como leigos e lideranças comunitárias que resolveram se abrir, falar de suas relações amorosas, seus problemas, as dificuldades próprias de quem aceita o desafio de amar alguém e ter com ela um compromisso.
Quando me falaram sobre a experiência eu fiquei estupefato, primeiro por que o homem ainda tem muita dificuldade de falar de si, mais ainda pros amigos, ainda mais numa reunião com 15 pessoas. Para confirmar isso basta ir a qualquer clinica psicanalítica e ver que a maioria dos pacientes lá são mulheres. E segundo por que mostra que os homens estão, mais do que nos parece a primeira vista muito interessados na sua relação amorosa, ao contrário dos discursos das revistas.
Mas que homens estão interessados nisso? Estes que me refiro, todos com menos de 40 anos, pelo menos o que eu pude conhecer, são pessoas da comunidade Santa Edivirges. Aqui chamo a atenção pra uma coisa. Antes de serem homens conversando sobre suas relações, são homens maduros, comprometidos com sua comunidade, lideranças de seu bairro, respeitados no local onde atuam, ou seja, pessoas responsáveis e adultos acima de tudo.
Enquanto adultos e responsáveis é que podem discutir seriamente suas relações amorosas e familiares. E discutem por que tem por suas mulheres e famílias uma relação de respeito e amor.
Achei a iniciativa destes homens extremamente corajosa, ousada e altiva. Digo isso por que vivemos um tempo em que coragem está associada a largar tudo, terminar relacionamento, viver sem compromisso. Parece que tem muitos homens querendo outra coisa além dessa vida sem sentido, vazia, sem compromisso e descartável que temos visto por ai.
Mas o recado que fica é, sem ajuda, muito diálogo, conversa e amizade não há como sustentar uma relação amorosa. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…