Pular para o conteúdo principal

Europa e Líbia

Atitude vergonhosa da Europa perante massacre na Líbia

por DN.ptHoje
A Europa está mais preocupada em manter os líbios encerrados nas suas fronteiras do que em condenar o massacre levado a cabo pelo ditador Muammar Kadhafi e em apoiar os cidadãos que "jogam a sua vida para combater uma velha tirania"
A acusação é do El País, que no seu editorial arrasa a "a mesquinhez" dos líderes europeus e considera que esta não é a União Europeia (UE) que deveria existir perante as revoluções no Magrebe e no Médio Oriente. "Ao silêncio e à paralisia com que se receberam as manifestações que acabaram com as ditaduras de Ben Ali e de Mubarak, na Tunísia e no Egípcio, soma-se agora a fraqueza. Quando um tirano lança tanques e aviões contra os cidadãos que o repudiam, e entre os quais o número de mortos chega às centenas, é simplesmente vergonhoso que se fale em contenção no uso da força", escreve o diário espanhol.
O El País lembra que estes não são os primeiros crimes cometidos por Kadhafi, mas são os levados a cabo de forma mais descarada, e critica as cautelas no comunicado emitido pela alta representante europeia de Política Externa, Catherine Ashton, e nas mensagens do Conselho de Ministros europeus. Além disso, considera que, se a Itália e a República Checa conseguiram travar uma posição comum da UE de maior firmeza, isso só aconteceu porque os restantes 25 países "não estão incómodos" com isso, o que se trata de "uma humilhante derrota para todos".
Para o jornal espanhol, a Europa renunciou a distinguir entre um imigrante e um refugiado e deixou de conseguir hierarquizar os problemas à custa de passar o tempo a olhar para o seu próprio umbigo, colocando à frente do apoio às populações martirizadas uma obsessão (imigração ilegal) dos partidos populistas que passou para os outros, os democráticos, que fazem tudo em troca de votos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…