Pular para o conteúdo principal

Do encontro de um professor e seu aluno



Olá Luciano,

Meu nome é Patricia, sou sua aluna do 1º ano de PP, mas também já fui sua aluna no 1º ano de adm, em 2007, embora não tenha terminado o curso, mas pelo menos terminei o 1° ano de adm, no qual foi muito compensador, pois participei das suas aulas, na qual foi realmente muito importante para o meu crescimento profissional e social.
E esse ano, mais uma vez, tenho o privilégio, de participar das suas aulas novamente, embora já te conheça, a cada dia é uma surpresa, uma idéia diferente, e somos surpreendidos por algo que realmente nos faz pensar, que o modo de ver as coisas são divididas em dois tempos:antes da aula do Luciano, e depois da aula do Luciano.
São dois motivos pelo qual escrevo este email, o primeiro deles é agradecer, isso mesmo, agradecer em nome de todos os alunos, por nos proporcionar uma aula sem censura, sem medos, sem mediocridade, onde a verdade está ali para todos, sem ser fantasiada, o mundo realmente como ele é, pois são poucos aqueles que conseguem enxergar isso, quanto mais passar a frente como vc faz, e muito bem.
O segundo motivo é elogiar seu trabalho, pois os bons profissionais merecem o devido mérito, comecei a ser sua aluna, desde 2007, à partir daí não deixei mais, e continuarei para vida toda,pois cada texto publicado que recebo por email, é uma nova abertura para tudo aquilo que pensei um dia estar certo.
Você disse em uma aula que nós somos a diferença, os inovadores do século XXI, realmente somos, mas um de nossos espelhos é você, pelo menos para nós, alunos do 1º ano de PP.

Parabéns pelas palavras sábias, não tem como não ler um lindo texto, como esse:"A crise não é o fim, mas o início".

Obrigada,

Att,

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…