Pular para o conteúdo principal

Cristina Mortágua é transferida para presídio no Rio

Cristina Mortágua é transferida para presídio no Rio

Ex-modelo foi presa após agredir delegada com uma 'joelhada'

selo
Foto: Agência O Globo
A ex-modelo Cristina Mortágua é transferida da 16ª DP (Barra da Tijuca) para a Polinter
A ex-modelo Cristina Mortágua, presa em flagrante na segunda-feira (7) após agredir uma delegada, foi transferida no final da manhã desta terça-feira (8) para a carceragem da Polinter, no município de Magé, Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Segundo a Polícia Civil, ela poderá ser solta após o pagamento de uma fiança, no valor de R$ 6 mil.
De acordo com a polícia, o Ministério Público do Rio deverá instaurar um inquérito sobre a agressão. A ex-modelo pode ser condenada a cinco anos de prisão por desacato, resistência e injúria. A ex-modelo, que teve um filho com o jogador Edmundo, foi presa em flagrante, na Barra da Tijuca, após xingar policiais e dar uma 'joelhada' no abdômen da delegada Daniela Rebello.
Cristina passou a noite de segunda-feira na carceragem da 16ª DP (Barra da Tijuca) e, segundo o titular Rafael Willis, ela se alimentou como todos os outros detentos e não fez nenhum tipo de reclamação. “O filho não esteve mais aqui depois de prestar queixa, mas a mãe dela fez uma rápida visita ontem no final do dia”, relatou o delegado ao iG.
Agressão
Cristina foi na segunda-feira à 16ª DP, onde seu filho de 16 anos estava prestando queixa contra ela por agressão. Durante depoimento à delegada de plantão Daniela Rebello, o jovem mostrou uma sacola cheia de medicamentos, que, segundo ele, eram diluídos e a ex-modelo aplicava na própria veia.
Enquanto ele prestava queixa, Cristina jogou um aparelho celular na cabeça do adolescente e acabou sendo retirada da delegacia. A delegada então acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para tentar acalmar a ex-modelo, que passou a gritar dizendo que não seria atendida e por fim tentou se jogar na frente dos carros que passavam.
Cristina voltou para o interior da delegacia e foi avisada por Daniela Rebello que representantes do Conselho Tutelar estavam a caminho. Mais nervosa ainda, Cristina passou a xingar e a agredir os policiais, chegando até a dar uma 'joelhada' no abdômen da delegada.
Ao ser levada para exame de corpo delito, a ex-modelo tentou justificar sua atitude: "Meu filho é gay e faz uso de drogas".
*com Beatriz Merched, iG Rio de Janeiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…