Pular para o conteúdo principal

COMDEMA


COMDEMA – hora de renovar
                      Abílio de Azevedo
     Com o escopo de garantir o envolvimento dos segmentos populares com os instrumentos ambientais disponíveis, foi criado, em junho de 2009, o Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente de Neves Paulista.  Composto por cinco membros do Poder Executivo e três da sociedade civil, em seu primeiro ano o Comdema  - mesmo sem a adequada estrutura -  atuou na viabilização de algumas diretivas do protocolo Município Verde Azul; casos da educação ambiental, lixo mínimo, uso racional da água e arborização urbana. Outras ações, entretanto, não tiveram grau de incidência satisfatório, dentre elas a recomposição da mata ciliar (incluso o programa “Adote uma nascente!”), o combate à poluição do ar e madeira de forma sustentável na construção civil.
     A bem da verdade, desde abril passado o referido conselho não se reúne e, como decorrência, enfronhou-se na constrangedora condição de mero expectador de ações “ambientalistas” fragmentadas e oriundas de pacotes políticos prontos, que podem não priorizar as reais demandas ambientais.  A propósito, há modelos teóricos que levam a uma leitura superficial, equivocada e inadequada da realidade e das possibilidades que esta oferece.  Assim, não pode ser obra do acaso o fato de Neves Paulista ter despencado da 299ª posição, que ostentava em 2009, para a 366ª em 2010 na qualidade de vida ambiental. Tal avaliação, divulgada em 18/12/2010 e feita pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente, considerou 614 dos 645 municípios do Estado.
     O momento atual exige que o Comdema  - pegando uma carona na crista da “onda verde” que se propaga em municípios vizinhos, como Rio Preto que subiu 63 posições no referido ranking ambiental - elabore uma lista das prioridades da sua pauta de desenvolvimento sustentável para o ano de 2011.  Esta tarefa, contudo, deve ser precedida de uma recomposição do seu próprio grupo de conselheiros, que garanta o racional equilíbrio entre a representatividade da sociedade civil e a do Poder Executivo (se este evidenciar razões para tê-la).  Uma vez renovado, esse conselho deve mergulhar na ecologia profunda e, antes de respaldar conveniências político-administrativas, deverá abraçar a causa socioambientalista de modo responsável, coeso e incondicional.
     Caso pretenda corroborar na qualificação do município para a conquista, ainda distante, do “certificado verde azul”  - aquele que garante à administração municipal a prioridade na captação de recursos junto ao governo estadual -  o Comdema deve protagonizar ações ousadas.  Um bom começo seria mover gestões junto ao Poder Executivo, que apontem para a premência de se estruturar uma instância técnico-administrativa com a definição de responsabilidades e concessão de poder para que o mesmo possa atuar nas questões ambientais de impacto local.  É recomendável, por conseguinte, uma efetiva aproximação com as demais instituições do Poder Público municipal, em particular com a Curadoria do Meio Ambiente.  É evidente que, enquanto representativo da comunidade, o Conselho deve assegurar sua condição regimental de órgão livre, consultivo e deliberativo.
    Em síntese, para encontrar a porta de saída do marasmo em que se encontra, o Comdema carece de ser pro ativo e de mostrar maturidade para o exercício de suas funções. Destarte, saberá esse órgão, que sua própria renovação fracassará se feita à revelia da mobilização da comunidade.  E esta, por sua vez, ainda precisa emitir sinais claros de que entende a real importância de se investir no uso sustentável dos recursos. Afinal, a interatividade entre Poder Público e sociedade civil revela-se, cada vez mais, a via de mão única que permite o acesso à almejada melhoria da qualidade de vida ambiental para todos.
ABILIO MOACIR DE AZEVEDO é mestre em Organização do Espaço pela UNESP-Campus de Rio Claro-SP, professor da FAECA Dom Bosco de Monte Aprazível e da Faculdade de José Bonifácio e membro do Comdema de Neves Paulista-SP.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…