Pular para o conteúdo principal

Câmara de Paraibuna

Enviado por Voz da Consciência 
"Se você assistia o desenho animado da She-ra, lembra-se que ao fim de cada episódio o Geninho aparecia e dizia: “Oi sou eu, o Geninho, vocês viram onde eu estava escondido, dêem mais uma olha... olha eu aqui”.
Todo esse alvoroço criado na Câmara Municipal de Paraibuna embora tenha tem lá no fundo um único motivo, tem muitos personagens e um específico que está passando despercebido aos olhos de todos, mas vamos guardar essa para o final e entender alguns pontos importantes.
A vereadora prof. Helô, por duas vezes a mais votada e cunhada do prefeito, já na época da campanha em 2008 era invejada por alguns candidatos da sua coligação que imaginavam que, o então candidato a prefeito, Barros daria vantagens e preferência a sua cunhada prof. Helô. Inveja tanta que o Barros não podia ser visto em campanha só com ela, os enciumados tinham de estar juntos. Alguns deles foram eleitos e agora travam uma guerra com qualquer um que se posicione próximo a prof. Helô.
Tal comportamento pode ser explicado por outra perspectiva, a prof. Helô é a primeira mulher a assumir o cargo de vereador no município e alguns dos vereadores não estão acostumados a falar de igual pra igual com uma mulher. Independente de muita coisa, a vereadora representa a ascensão da mulher na sociedade e como sabemos a mulher tem muito mais jeito para lidar de forma democrática com as divergências e tem mais capacidade para administrar as adversidades e isso assusta os velhos políticos que não querem largar o osso.
Um exemplo claro disso é que até determinado momento todos percebiam o vereador Daniel como um aliado do vereador Klinger, mas diante da indignação de seus eleitores - que como muitos, vêem o ex-presidente como oposição ao Barros - Daniel cedeu e acordou com o vereador Ronaldo sobre a presidência da Câmara. A quem atribuíram a faceta? À vereadora, que sem dúvida deve ter intermediado, e óbvio com o consentimento do prefeito.
Resultado o ex-presidente se submeteu a uma aliança com o vereador João Batista, mas os dois pagaram caro, pois tiveram que buscar o apoio do vereador Juninho e este tributo ainda será cobrado. Aqui cabe um parêntese, João Batista na última legislatura apanhou como cachorro magro, os seus desafetos esperavam que Klinger no mínimo não desse espaço a ele, e agora até o Juninho que vive batendo na mesa e dizendo que não é pau mandado de ninguém recebe as dicas de como conduzir a sessão – do mesmo João Batista que ele próprio diz ter tomado uma rasteira traiçoeira na configuração em que o Loureiro comprou o grupo do João Sales e Juninho ficou chupando o dedo.
Contudo, embora inexperientes, Ronaldo, Daniel e Roberto lidam melhor com as mudanças que o mundo impõe, enquanto os velhos políticos esmurram a mesa para dizer que eles mandam. E este é o ponto, o personagem que está escondido, o Geninho do desenho da She-ra.
Ele não quer voltar a ser prefeito, vice ou qualquer outro cargo, ele quer ter um prefeito que atenda aos seus interesses particulares e isto já está combinado entre eles.
Na “ante-sala” do plenário reúnem sem Juninho, Klinger, João Batista e Luiz Gambá".
voz da consciencia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…