Pular para o conteúdo principal

Os avanços na política brasileira

Os avanços na política brasileira

Coluna Econômica
A política brasileira entra definitivamente na era da modernidade, da civilização.
Da redemocratização para cá, foi uma sucessão infindável de crises e uma oposição batalhando permanentemente para desestabilizar o governo eleito. Foi assim com Fernando Collor, com a oposição petista a Fernando Henrique Cardoso e, depois, com a oposição tucana-midiática a Lula.
Para muitos cientistas políticos, o Brasil balançava entre dois modelos políticos: o alemão, estável, com dois partidos disputando as eleições mas sem fugir muito do centro; ou o italiano, com caos político atrapalhando o desenvolvimento econômico e social.
***
As eleições de 2006 foram realizadas nesse clima de guerra, insuflado pelo episódio do "mensalão" e, especialmente, pela liderança de FHC, estimulando a guerra em todos os níveis.
Eleitos os novos governadores, havia o prenúncio de um período de amadurecimento político. Em alguns estados-chave foram eleitos e reeleitos governadores capazes de definir uma oposição articulada, não deletéria. Esperava-se o nascimento de novos estadistas se contrapondo ao poder beligerante de senadores e deputados.
Esse movimento acabou abortado pela ascensão de José Serra, como candidato a candidato favorito pelo PSDB, para as eleições presidenciais seguintes e pela incrível mudança no seu perfil político.
Serra passou a comandar uma oposição deletéria, denuncista, culminando com a campanha de Internet, na qual sua adversária Dilma Rousseff era acusada de ter assassinado pessoas, matado criancinhas, ser contra a religião etc.
***
Agora, tem-se o seguinte quadro. No período Lula houve uma inflexão radical no conceito de políticas públicas.
Periodicamente, a opinião pública tende a enfatizar determinados temas em detrimento de outros. Nos anos 90 até alguns anos atrás, os únicos valores percebidos eram os privatização, abertura econômica e responsabilidade fiscal – relevantes, mas insuficientes para compor uma política pública. Era uma reação ao período anterior, de desequilíbrios fiscais e economia fechada.
***
Essa fase acabou com a crise de 2008, deixando consolidados alguns desses valores, mas introduzindo novos valores no jogo
Agora há novos valores em jogo, praticados não apenas em nível federal mas nos novos governadores que assumem o comando da oposição.
Em São Paulo, Geraldo Alckmin anuncia conjunto de metas sociais – o Prouni estadual, nova concepção para habitação popular, mudança no sistema educacional -, uma pacificação nas relações com sindicatos e movimentos sociais, na ênfase à parceria com o governo federal.
Em Minas ocorre o mesmo com Antonio Anastasia. Esta semana foi celebrado um acordo pelo qual o governo federal vai montar um escritório de representação no Estado, a fim de estreitas as relações entre os dois governos.
***
Gradativamente vai sendo extirpado do mapa político as cenas dantescas da última campanha eleitoral, na qual o ódio e o preconceito foram elementos-chave. Passada a catarse, o país demonstra ter avançado muito mais do que a cabeça de algumas velhas lideranças.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…