Pular para o conteúdo principal

Não há democracia no silêncio

Rio Preto
Passei minhas férias na cidade onde minha família mora no Vale do Paraíba. Cidade pequena com algo em torno de 15 mil habitantes, a vida é pacata, mas as limitações são muitas. Quem já morou em uma cidade pequena sabe do que estou falando.
Um dos grandes problemas em cidades deste tipo é que falar, reclamar, criticar pode resultar em perseguições políticas, perda de emprego e mais fragilidade ainda. Disso resulta que nestas cidades todos sabem quais são os problemas, mas pouco tem a coragem de enfrentar o poder público e pagar o preço das conseqüências.
Mas e quando falamos em cidades maiores como Rio Preto, que possui mídia, jornais, radio, TV, e é possível fazer criticas anonimamente? A qualidade dos serviços públicos, a seriedade com que são realizados, a moralidade dos funcionários e a forma como os políticos agem pode ser muito bem acompanhada seja pela imprensa como por conseqüência pela população.
Nesse sentido, a população deve ser fiscal do poder público, deve sim denunciar os erros, informar a imprensa a respeito de problemas que precisam ser corrigidos. Entrar em contato com a imprensa e denunciar, mesmo que anonimamente, é fundamental para a correção dos rumos numa cidade.
Em cidades pequenas não existe imprensa, quando existe é subordinada aos políticos de plantão, e a população pouco pode fazer contra os desmandos dos poderosos. Ligue, denuncie, fotografe e mande as fotos para o jornal, mas não fique calado.
Democracia é a possibilidade aberta de poder falar, e no Brasil ainda não podemos falar abertamente sem sermos perseguidos, pelo menos nesse interiorsão brasileiro, mas você pode falar anonimamente via jornais e imprensa em geral.
Quem mais afeta a vida do cidadão?, o poder público, para o bem e para o mal. Quem é o poder público, são os funcionários, vereadores, prefeito, pessoas e empresas ligadas a prefeitura e que a ela prestam serviços. Estas pessoas é que podem ser o bem ou mal para as pessoas da cidade. Assim denunciar é ao mesmo tempo fortalecer a democracia e nosso direito de falarmos sem sermos perseguidos, como ainda acontece em cidades pequenas, mas também a maneira de mostrarmos que estamos atentos e alertas para o que acontece em nossa cidade. E quando falo cidade, quero dizer nosso bairro, nossa rua. Cada um vigia sua rua, e estaremos todos vigiando a cidade.
Os políticos precisam aprender que são serviçais da cidade, são empregados dela, e que devem servi-la da melhor maneira possível, por isso é fundamental votarmos certo e em pessoas preparadas para cargos públicos, por que só assim teremos uma cidade melhor e um poder público que serve e é aliado da cidade e não seu inimigo como muitas vezes vemos acontecer. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…