Pular para o conteúdo principal

EUA multam a Danone em US$ 21 mi por propaganda enganosa do Activia

EUA multam a Danone em US$ 21 mi por propaganda enganosa do Activia

No Brasil, a propaganda usou
 até uma atriz grávida 
A subsidiária nos Estados Unidos da francesa Danone vai pagar uma multa a 39 estados no total de US$ 21 milhões (R$ 38,4 milhões) por veicular propaganda enganosa do iogurte Activia e da bebida láctea DanActive.

A publicidade afirma que os dois produtos contêm bacilos que ajudam a regular “o trânsito lento” – ou seja, “constipação intestinal”, na linguagem médica, ou “prisão de ventre”, na popular.

A FTC (Comissão Federal de Comércio), que fiscaliza os anúncios, se posicionou contra a publicidade porque não há comprovação científica dos benefícios apregoados pela Danone.

Argumentou que, se a empresa continuasse a divulgar as supostas propriedades medicinais do Activia e do DanActive, ela teria de submetê-los à FDA (Food and Drugs Administration), órgão que tem de aprovar os remédios para que sejam colocados no mercado.

A subsidiária brasileira da empresa também anunciou na TV em 2007 e 2008 as supostas propriedades do iogurte Activia.

A agência Young & Rubicam contratou atrizes como Patrícia Villar, Susana Vieira e Carla Mercado para peças publicitárias. Grávida, Carla (foto acima) dizia que no início da gestação o seu intestino tinha travado. “Aí passei a tomar Activia todos os dias, e o meu intestino funcionou.”

Em junho de 2008, a Anvisa (Agência Nacional da Vigilância Sanitária) proibiu os anúncios. Ainda assim, em novas versões, eles continuaram a ser divulgados.

http://www.paulopes.com.br/2011/01/eua-multam-danone-em-us-21-mi-por.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+blogspot%2FLHEA+%28Paulopes+Weblog%29

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…