Pular para o conteúdo principal

Crianças e adolescentes precisam é de bons valores - limites são menos importantes



Regis Mesquita

Recebi a milionésima corrente via email. Esta dizia da importância de dizer NÃO para os filhos. E propunha uma corrente para incentivar os pais a colocarem limites sem sentirem vergonha.

Descreveram um caso de uma menina mimada que se deu mal na vida e disseram que os pais estão criando pequenos ditadores.

Eu até que concordo com algumas colocações. O problema é que centro do problema nem sequer é colocado: crianças com péssimos valores, terão péssimos hábitos e atitudes.

Dois fatos verídicos podem explicar o que quero dizer:

1) alguns anos atrás um pai entregou o filho para a polícia porque o mesmo havia assassinado uma mulher. Quando foram entrevistá-lo, o senhor disse: roubar tudo bem, matar não.

Observe os valores deste pai. Depois de aceitar e, talves, incentivar o roubo, ele quer colocar limites. Matar NÃO. Observe como os valores são infinitamente MAIS importante que os limites.

Os valores que damos aos nossos filhos são a verdadeira trilha que eles seguirão. Os limites servem para a sintonia fina deste caminho que apresentamos para eles.

2) uma senhora e seu marido me procuram em meu consultório. Estavam preocupados com o uso abusivo do filho dos jogos de vídeo-game. O rapaz passava horas jogando. Todos os dias jogava por mais de seis horas.

Os pais se perguntavam como lidar com o problema.

Algumas pessoas podem dizer: "simples, basta colocar limites e pronto. Os pais tem que ter autoridade".

O problema são os valores que estes pais passaram para este adolescente. Ele foi criado assistindo Tv durante horas. Foi criado com a idéia de que assistir Tv é melhor do que estar "na rua". Pais não liam e não incentivaram a leitura. Seus brinquedos, toalhas, pijamas, etc, eram de personagens de televisão. Suas festas de aniversário eram de personagens de Tv. A mãe seguia a moda das novelas, e dentro de casa se discutia assuntos de Tv, artistas, etc.

O rapaz foi criado com uma overdose de influência da mídia. Ele foi criado e treinado para valorizar e desejar o que a mídia apresenta para ele. Ele foi para estar passivamente em frente a uma tela de vídeo.

Em outras palavras: jogar vídeo-game por horas é apenas a lógica da sua vida e dos valores familiares.

Foi isto que ele aprendeu, foi isto que foi cultivado dentro de casa. Esta é a vida como este adolescente conhece.

É por isto que não basta colocar limites. Os pais devem ter muito claro quais os valores que estão incutindo na cabeça de seus filhos.

A maior parte dos adultos falam de limites, porque tem medo de olharem para elas mesmas e descobrirem o tipo de valores que tem cultivado no dia-a-dia.

Oriento os pais a deixarem seus filhos no máximo uma hora por dia em frente à tv. Existem muitas outras atividades serem para serem feitas.

Oriento também a fugirem ao máximo da moda e de "personagens" (lap top da Xuxa, chuteira do Kaká, etc). As crianças devem ser treinadas a NÃO seguirem o que é incentivado pelos meios de comunicação.

Uma criança que cresce tendo múltiplas opções de brincadeiras, tenderá a ser um adolescente que tem múltiplos interesses. Com múltiplos interesses, será bem mais difícil gastar tanto tempo em jogos eleltrônicos.

Nós somos o que nós cultivamos.


Leia também:
Concentração das crianças e adolescentes: televisão atrapalha muito

Criança solitária na frente da televisão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…