Pular para o conteúdo principal

Artigo: Luciano Alvarenga

O amor e seus problemas

Não há maneira mais imprópria de ser feliz do que buscar a felicidade. O mercado amoroso está saturado de pessoas em busca da sua alma gêmea, do seu grande amor. Almas gêmeas não existem e como disse em outro texto, acredito que as pessoas estão buscando exatamente o que não querem. À mesma medida que aumenta o número dos que não sabem que caminho trilhar quando o assunto é amor, aumenta na mesma proporção, senão mais, aqueles que seguem a atual receita de vida a dois do tempo de nossas avós.

Avós tinham manual e plano de vôo para a vida que levariam, nós não temos nem bússola, quanto mais manuais ou guias para nos direcionarmos. Dito isso, como então viver a dois, ou sozinho nestes tempos que seguem?

Esqueça tudo o que ouviu de suas tias e de sua mãe sobre relacionamento, nada serve a você. Para de ler revistas femininas que apenas colocam roupas novas em fórmulas carcomidas e que só terminam em tristeza e desilusão. A primeira coisa é: pense em você, pensar em você não é pensar num armário com roupas, nem em pernas mais torneadas, e se você que me lê é homem, esqueça a beleza da moça, pelo menos por enquanto.

A única pessoa em que você pode confiar é em você mesma. E se teu software mental não pode te ajudar, esqueça, você fará tudo o que sua mãe fez e, certamente terminará colocando um neto no colo dela enquanto você sai à procura de outra pessoa igualmente despreparada (software mental defasado) para estar com você. Software é o que Sócrates chamou de “conhece-te a ti mesmo”.

Quer saber como é uma pessoa, descubra quais são os seus problemas. Se você possui um computador já percebeu que ele não faz os problemas desaparecerem, apenas ajuda você a resolvê-los. Mas se você não sabe que tipo de problema irá resolver de nada adianta um computador em sua mesa. Com isso quero dizer que, a vida que você vai viver e o tipo de problema que terá dependem da qualidade do seu software mental. Traduzindo, saiba primeiro que tipo de problema você tem ou que problema terá, e escolha a maneira de resolvê-lo ou evitá-lo de acordo com o que você considera melhor – melhor depende do seu software, se você não tem não pode saber o que é melhor.

Cada escolha corresponde a uma gama de problemas, se você está sozinha pode ficar com todos, mas estará sempre sozinha. Se estiver com alguém, não ficará com todos, mas estará acompanhada. Se você mora junto com alguém, haverá sempre sopa quente, conversa no café da manhã e discussões intermináveis sobre quem faz o quê e quando. Se você mora em uma casa e seu parceiro em outra, não haverá discussões intermináveis sobre louça e roupa molhada na cama. Mas os cafés da manhã serão solitários e você viverá carregando roupa de uma casa para outra.

Os problemas não desaparecem quando fazemos escolhas, eles apenas mudam de cor e de figura, às vezes de intensidade. A questão é, que tipo de problema você prefere lidar. Saber as conseqüências das escolhas é antecipar o tipo de problema que terá que ser enfrentado. Isso significa que, se conhecer a si mesmo é uma forma de saber o que não quero viver, e que tipo de problema considero insuportável que me impediria de viver melhor e mais feliz.

Software mental é toda a bagagem reunida ao longo da vida, seja quantos anos for, e que me ajuda a decidir a partir daquilo que sei que não quero, não suporto, não desejo. Isso não quer dizer que viverei sem problemas, apenas que viverei os problemas que resultam das escolhas que me levam na direção do que sonho e me realiza. É muito mais fácil lidar com problemas que uma vez resolvidos me aproximam do que desejo e busco, do que resolver problema que não me levam a lugar algum desejável.

Vidas amorosas partidas, são em muitos casos, frutos da ignorância sobre o que realmente se deseja. Quando se vive o que não se quer, os problemas daí advindos são insuportáveis, mas quando trilhamos o que queremos os problemas são apenas problemas.

Por isso, não queira o que suas avós queriam, por que não há mais solução para os problemas que elas viviam.

Luciano Alvarenga, Sociólogo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…