Pular para o conteúdo principal

Alckmin investe em programa com viés social e contrapõe-se a Serra

O ProUni de Alckmin

Do Valor
Cristiane Agostine | De São Paulo
21/01/2011 
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), planeja aumentar a distribuição de bolsas integrais de estudo para universitários, em modelo semelhante ao Programa Universidade Para Todos (Prouni), do governo federal. Alckmin lançará um novo programa de custeio do ensino superior para jovens, o Educador Social, e reforçará uma das bandeiras de sua gestão anterior, o Escola da Família, reduzido na gestão de José Serra (PSDB).
O novo programa deve beneficiar 3 mil alunos, que receberão bolsa integral para todo o curso. O foco são universitários de cursos da área de humanas, egressos de escola pública. Em troca, os estudantes trabalharão nos fins de semana como agentes sociais e deverão ajudar os municípios no mapeamento das famílias que vivem em situação de pobreza e miséria. O cadastro das pessoas auxiliará o governo a ampliar o Renda Cidadã, espécie de Bolsa Família paulista. Desde o lançamento desse programa de transferência de renda, em 2001 o governo esbarra em dificuldades no cadastro de famílias. Além da bolsa, o alunos terão uma ajuda de custo para o deslocamento durante o trabalho.
O modelo do Educador Social será parecido com o do Escola da Família, no qual os universitários trabalham em escolas públicas nos fins de semana, em atividades culturais e esportivas, em troca do pagamento do curso pelo governo estadual. No Escola da Família, o valor máximo da mensalidade na universidade deve ser de R$ 534. Desse montante, o governo paga metade e o restante é custeado pela universidade.
Na gestão passada, o governador José Serra desidratou o Escola da Família. Assim que assumiu, em 2007, o ex-governador reduziu o número de colégios atendidos pelo projeto, marcando diferença com o governo que havia herdado de Alckmin. O programa sempre foi considerado pelo atual governador como uma de suas vitrines. Quando Serra chegou ao governo estadual, criticou também outro projeto prioritário da área educacional da gestão Alckmin, o Escola de Tempo Integral. Em relatório à Assembleia Legislativa, o governo Serra apontou a falta de planejamento na implementação do programa.
O Educador Social, programa de bolsa universitária a ser lançado nos próximos dias por Alckmin, será comandado pelo secretário de Desenvolvimento Social, Paulo Alexandre Barbosa. Na gestão anterior de Alckmin, entre 2001 e 2006, Barbosa foi o responsável pelo Escola da Família.
O modelo estadual de financiamento de universitários é uma espécie de "Prouni paulista". A contrapartida estadual, com o trabalho dos beneficiários para o governo, no entanto, é uma das principais diferenças entre os dois programas. Outra diferença é que no federal nem todas as bolsas de estudo são integrais, apesar de representarem a maioria dos benefícios, 70%.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…