Pular para o conteúdo principal

Ser feliz é uma competência




Ser feliz a dois é mais completo



Uma das questões fundamentais num relacionamento amoroso é o quanto admiro o outro. O outro não pode apenas fazer um par comigo, devemos ter uma parceria. Parcerias de sucesso, quero dizer aquelas que duram e mantêm a vitalidade, requerem que ambos tenham pelo outro profunda admiração. Elementos como beleza e inteligência são ingredientes que atraem de primeira, mas o que mantém a atração no longo prazo é essa admiração pelo o que o outro é, e/ou aquilo que possui como ideal e que o move. Isso também é amor.

Admirar é se colocar diante do outro para reconhecer qualidades, virtudes e características que considero importantes. Cada um tem sua história, sua trajetória, suas razões e continuará tendo ainda que em parceria amorosa. Amar não é se amarrar a alguém, é convidar este alguém que admiro para um processo de construção de um projeto que é ao mesmo tempo individual e a dois. Quando admiro, amo duas vezes. Amo o outro em si mesmo e o amo pelo que representa de qualidades que me atraem.

Aqui temos vivido uma triste cilada, estamos procurando como única característica o novo. E tudo é novo apenas uma vez, ainda que a ideia de novo tenha ficado velha. Admirar é assistir ao outro e sua maneira única e exclusiva de viver, de amadurecer, de olhar a vida e dela retirar seus aprendizados, sua maneira ímpar de amar, de me admirar, de me ajudar a ver o que sozinho não consigo ou que não posso da forma com que só ele vê. Amar é amar de formas diferentes à medida que o tempo passa e amadurecemos. Amar é estar preparado e estar sempre se preparando para ver o outro em sua caminhada pela vida. Quem se prepara para o outro nunca está desacompanhado e está sempre acompanhando.

Amar é se dedicar às coisas do outro, ajudá-lo a realizar-se e a realizar. Ajudá-lo a realizar não é impor condições, é permitir que faça e realize o que sozinho não pode ou não consegue. Não há parceria que desconsidere o que cada um sonha e projeta. Cada qual tem seus projetos que deverão ser realizados com o outro que toma parte dele, mas que não fica órfão dos seus. Quando me realizo, vejo melhor como ajudar o outro. Quando estou impedido de ser o que posso, de construir meu vocare (meu chamamento para minha vocação), só consigo invejar os outros e estou bloqueado para amar. Há casais que vivem para impedir o outro de realizar seu chamamento, sua vocação, seus talentos. Quando minha vida é impedir o outro de Ser o que tem potencialidade para viver, não amo, nem vivo o que também posso Ser.

É por isso que ficar só é não amar o outro nem a si mesmo. Isso porque o amor não se realiza no indivíduo, amor é encontro não apenas de duas pessoas, mas de duas possibilidades infinitas. E de que tempo estamos falando senão das possibilidades e das realizações. Quem está sozinho viaja pela vida em desvantagem. Nesse sentido, ficar só está fora de moda. Amar é encontrar a parceria que não se troca, de que não se abre mão. Amar é se aperfeiçoar na arte de Ser eu estando a dois e estar a dois sem deixar de Ser eu.

Ser feliz sozinho pode ser mais fácil, mas ser feliz a dois é mais completo. 
Luciano Alvarenga

Comentários

Rúbia disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Rúbia disse…
Gosto de "me" perceber nos seus textos...Grande beijo, Rúbia

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…