Pular para o conteúdo principal

Depois do conforto, a angústia


A busca pelo conforto se transformou na maior busca das pessoas, e responde certamente pela carga de trabalho excessiva a que elas se impõe. Um sofá de 3.000 reais é mais confortável, mais bonito que um de 700 reais, este mais confortável, mais bonito do que um de 450.
E assim é com todas as coisas. Desde o fogão, passando pela cama e o colchão até o carro e as roupas que vestimos. Mas conforto custa caro, vicia e exige uma capacidade crescente de compra. Quem tem conforto hoje o quer amanhã também. E sempre se possível.
Conforto se liga ao poder de compra, e isso dá status. Me lembro de uma professora amiga minha que disse certa vez que gostaria de fazer um jantarzinho com os amigos na casa dela, mas que antes precisava trocar os sofás. Respondi, que nós iríamos comer na cozinha e que se houvesse cadeiras já estava ótimo. Como já faz três anos este papo, acredito que ela ainda não tenha trocado os sofás, deve ser por que quer e não consegue comprar o de 3 mil reais.
A maioria de nós está mais preocupada com o conforto do que com a saúde. Até lamina de barbear tem que ser confortável, tem uma marca que diz assim, é muito mais conforto para barbear. Mas conforto acomoda, paralisa, da preguiça, e pior angustia. Conforto é apenas uma idéia estética, não tem substáncia, não alegra, nem deixa mais feliz.
E que nem uma cadeira gostosa é gostosa na primeira vez, nas outras é a cadeira simplesmente. Aqui é que entra o segredo da coisa. Somos levados a acreditar que conforto é fundamental, mas para termos conforto precisamos de dinheiro, e para isso precisamos trabalhar, e muito. Depois de tudo isso, o resultado é que temos mais conforto, mais nada. Fazemos nossa vida diária e de trabalho extenuante girar em torno do conforto e a recompensa é quase nada.
O que é melhor viver ou ter conforto. Viver passa por algo ativo, em que me torno sujeito daquilo que estou vivendo. Conforto é a passividade. Todos procuramos dar conforto aos nossos filhos, até a barbearia aqui perto de casa, na Abrão Tomé, tem ar condicionado, visando o conforto dos clientes. Estamos tão viciados em conforto que tem gente que prefere não se relacionar com ninguém para não ter de lidar com o desconforto de viver com alguém diferente de si mesmo. Por isso somos tão narcisistas. Ninguém vive melhor comigo do que eu mesmo. Será? Tá cheia de gente vivendo sozinha e não querendo ninguém e sendo atormentada pelos próprios fantasmas.
O tripé conforto, estabilidade e segurança que todos buscam é uma miragem. Por exemplo, um carro mais seguro é vendido ao mesmo tempo como mais estável e confortável. Mas e o preço? O preço de tempo que preciso trabalhar para obtê-lo, o desgaste emocional de me impor mais trabalho do que é saudável fazer. A minha ausência junto as pessoas que me amam e que nunca poderei repor. Como repor a uma criança de 2 anos o tempo que você não passou com ela.
Estamos trocando vida por conforto, muitos de nós tem mais conforto do que precisam ou sonharam um dia. A questão é que esta troca é desfavorável para nós, e benéfica para a indústria do consumo.
Quem somos nós e o que realmente precisamos para sermos felizes. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…