Pular para o conteúdo principal

Classe Média e Violência


Venho insistindo aqui com o tema da juventude e das relações familiares por que sem dúvida são questões urgentes senão as mais importantes na sociedade brasileira hoje.
Falei ontem do crescente ingresso de jovens de classe media na criminalidade e liguei este fenômeno a desestruturação econômica desta classe nos últimos anos ou pelo menos nestes últimos 20 anos.
Gostaria de abordar um pouco mais o assunto.
Nestes últimos 30 anos a classe media assumiu responsabilidades que normalmente são do estado, e isso resultou no quadro atual de deterioração econômica desta classe social. Crescentemente a classe media passou a pagar por educação, pagar por melhor estrutura de saúde, os planos privados de saúde, pagar por segurança morando em condomínios fechados, pagar por segurança futura, pagando seguros de vida. Pagando para se locomover pela cidade, usando carros a custos cada vez maiores, dado que se paga uma infinidade de impostos a ele ligados além claros de seguro de automóvel, caríssimos numa sociedade de assaltos aos bens privados.
O próprio lazer e cultura não são mais possíveis fora de ambientes fechados e pagos, ou seja, a classe media paga hoje altos preços para poder viver a vida e dar vida digna a sua família. Mas se de um lado, o custo de vida da classe média é alto, sua renda praticamente permanece inalterada. Isso se deve ao fato de que bens e serviços antes inexistentes, hoje são básicos e presentes na vida de qualquer cidadão desta classe. Telefonia celular, mais cara do mundo, teve a cabo, caríssima também, e uma parafernalha de produtos eletrônicos que não se consegue mais viver sem.
A soma de tudo isso é o fato de que a classe media não usufrui de mais nada que seja público e gratuito, sendo praticamente tudo em sua vida privado e pago. E quanto maior a cidade onde se mora mais caro são os serviços e a vida cotidiana.
O empobrecimento desta classe em função de ter que custear privadamente tudo o que precisa para viver jogou os membros adultos da classe media numa roda viva de trabalho e contas para pagar sem fim. O resultado é que está cada vez mais difícil manter o padrão de vida de 30 anos atrás. Esse quadro tem resultado numa ordem de problemas emocionais familiares que não raras vezes tem redundado em violência e agressividade por parte dos jovens destra classe contra a sociedade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…