Pular para o conteúdo principal

Violência contra os idosos


Segundo o Diário da Região o mesmo idoso de 84 anos, Sr. João Vivaldino foi alvo de ladrões 10 vezes em 90 dias. Adolescentes e jovens mulheres e homens, se transformou numa diversão roubar o aposentado que ainda trabalha, apesar dos 84 anos. Deu vontade de usar drogas, comer um lanche, beber uma cerveja, arromba a casa do velho e pega uma grana.
A bem da verdade o número de idosos vivendo bem com sua aposentadoria é bem pequeno. Esta idéia de terceira idade, melhor idade, idade disso ou daquilo ainda é um sonho. A maioria das pessoas idosas no Brasil ainda vive muito mal, recebem aposentadorias miseráveis, são um dos maiores alvos de violência, como vem demonstrando as estatísticas de segurança pública, e o mais curioso é que a violência na maioria das vezes é praticada pelos familiares próximos.
É comum olharmos para aquelas vagas reservadas para idosos no estacionamento e pensarmos de como as coisas vão bem para eles, ledo engano. A quantidade de idosos que tem carros e vão até shopping ocupar vagas reservadas a eles é uma ínfima minoria. A maioria dos idosos são pobres, que dependem do sistema público de saúde, a maioria trabalharam boa parte da vida sem carteira assinada, tem pouca escolaridade, criaram uma quantia grande de filhos, e hoje não raras vez recebem uma aposentadoria mínima e que os obriga a continuar trabalhando apesar da idade avançada, é o caso do Sr. Vivaldino.
Numa sociedade que hiper valoriza o jovem, o novo, ficar velho é ser empurrado para fora da festa. Felizes são os idosos que podem contar com filhos cuidadosos atentos e presentes, por que na maior parte dos casos não é assim. É como diz aquela antiga música sertaneja, um pai cria dez filhos, dez filhos não cuida de um pai. Uma constatação popular celebrizada numa música e que revela que a sociedade devolve pouco aos idosos de tudo que fizeram para a família e para a sociedade.
A molecada tá fissurada, se envolvendo com drogas cada vez mais cedo, agora está vivendo a tragédia do crack. O crack endoida o cara. Aproveito par dizer que se os idosos são o alvo fácil por que mais frágeis e desprotegidos. O fato é que todos estão na alça de tiro de adolescentes viciados. Um garçom que trabalha na padaria aqui no meu bairro foi assaltado por jovens bem vestidos, calçados em bons tênis, cabelos bem penteados em frente ao shopping avenida plazza. Somos todos alvos em todos os lugares.
Qual é o olhar que nossa sociedade lança sobre os velhos, ou melhor, nós os enxergamos? Que valor eles tem? São perguntas que poucos querem responder por que na verdade as respostas estão ai. Eles pouco valor possuem, justamente por que estão velhos, e isso é muito triste.
Poucas cidades possuem uma política voltada para o idoso, para o seu atendimento, para as suas necessidades. Na maioria dos casos o sistema resume-se a dar remédio quando no fundo a maioria está doente por falta de carinho, alto estima, por abandono, falta de amigos, de familiares, falta de vida que de sentido a sua existência como idoso. Duas figuras que me parecem abandonadas, idosos e crianças, estas abandonadas em creches.
Hoje a noite no globo repórter um programa sobre a importância do amor para as crianças crescerem adultos saudáveis e normais. Nossa, que descoberta incrível. Na verdade o que está acontecendo é que a sociedade está percebendo que esta loucura que tai só está criando gente neurótica, frustrada, dependente e carente de amor, carinho, presença e alegria. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…