Pular para o conteúdo principal

Violência contra os gays

Casal homossexual diz ter sido agredido em evento
Graziela Delalibera

Ferdinando Ramos

B.A.S. diz que ele e o namorado foram agredidos a correntadas
Um casal homossexual masculino registrou boletim de ocorrência na madrugada de ontem acusando seguranças da Playground Music Festival, evento de música eletrônica realizado no Recinto de Exposições, de agressão. O atendente B.A.S., 18 anos, disse que levou socos, chutes e apanhou com um objeto parecido com uma corrente. A assessoria do evento nega conhecimento sobre o caso.

No boletim de ocorrência, consta que a ação dos seguranças teria se iniciado quando o casal se beijava. “Não tem outra explicação a não ser preconceito”, afirmou o atendente. Ele afirmou que aguardava um grupo de amigas na companhia do namorado, o vendedor A.S.M., no momento em que foi surpreendido por um homem que seria da coordenação do evento. Conforme sua versão, ele teria ordenado que o casal se afastasse e chamou quatro seguranças.

Um casal homossexual masculino registrou boletim de ocorrência na madrugada de ontem acusando seguranças da Playground Music Festival, evento de música eletrônica realizado no Recinto de Exposições, de agressão. O atendente B.A.S., 18 anos, disse que levou socos, chutes e apanhou com um objeto parecido com uma corrente. A assessoria do evento nega conhecimento sobre o caso.

No boletim de ocorrência, consta que a ação dos seguranças teria se iniciado quando o casal se beijava. “Não tem outra explicação a não ser preconceito”, afirmou o atendente. Ele afirmou que aguardava um grupo de amigas na companhia do namorado, o vendedor A.S.M., no momento em que foi surpreendido por um homem que seria da coordenação do evento. Conforme sua versão, ele teria ordenado que o casal se afastasse e chamou quatro seguranças.

B.A.S. disse que ficou com marcas e escoriações pelo corpo e um corte na boca e que, em uma das investidas de um dos seguranças, bateu com a cabeça no chão. Foi requisitado exame de corpo de delito. “Foi traumatizante, a única coisa que a gente pedia era pelo amor de Deus para eles pararem.”

Além das agressões, o atendente acusa os seguranças de o expulsarem do evento junto com o namorado e duas amigas. “Fomos escorraçados do local. Abriam uma das armações de ferro que fechavam o evento e nos colocaram para fora”, falou, chorando. http://www.diarioweb.com.br/novoportal/Noticias/Cidades/34030,,Casal+homossexual+diz+ter+sido+agredido+em+evento.aspx

A assessoria de imprensa do evento informou em nota que a organização não recebeu relatório da segurança informando sobre o caso. Segundo a nota, a equipe de segurança relatou até o início da noite de ontem que o evento foi tranquilo, sem ocorrências graves.

Três mulheres também registraram boletim de ocorrência contra o evento, alegando que o parque de diversões montado dentro da festa tinha apenas três brinquedos, quando o divulgado teria sido dez. Sobre isso, a assessoria informou que em nenhuma peça publicitária foi mencionada a quantidade de brinquedos, mas sim o estilo dos brinquedos que já haviam passado por edições do evento em outras cidades.

Venho comentando que uma onda refressista toma conta da sociedade brasileira, a eleição este ano contribuiu muito para isso.  A violência contra mulher o homossexuais vem aumentando imensamente. Ao lado das mudanças que a sociedade vem vivendo, que inclui o redimensionamento da figura da mulher e, também uma outra imagem e um espaço muito maior a quem é gay, estamos vendo uma reação violenta e reacionária de uma parte da sociedade que não se vê como parte deste novo pais, desta nova era que o mundo vive. É o arcaico, o violento e o atrasado tentando impedir as mundanças sociais na porrada. Disse a alguns dos meus alunos gays que prestassem atenção neste quadro. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…