Pular para o conteúdo principal

Saresp


Uma navegante entrou em contato comigo, a Maria, me pedindo para que comentasse o SARESP que é na verdade um sistema de avaliação realizado pelo governo estadual das escolas públicas estaduais do ensino fundamental e médio.
A Maria que é mãe e possui filhos na escola me relatou o seguinte. Pais e alunos precisam responder a um questionário, como parte do sistema de avaliação que também envolve provas de vários tipos. Segundo as regras os alunos devem responder o questionário na escola, o que a ouvinte considera errado tendo em vista que o aluno não tem autonomia, especialmente alunos do ensino fundamental que podem acabar por responder os questionários pressionados pelos professores que também são pressionados pelos diretores a obterem bons resultados.
Ou seja, os professores pressionariam os alunos a responderem de acordo com o que resultado que ser quer obter e não a partir daquilo que o aluno realmente pensa sobre a escola e o ensino. Nesse sentido, a ouvinte considera que os alunos deveriam levar o questionário para casa e preenchê-los juntos com os pais, podendo assim falar abertamente sobre a escola sem serem pressionados.
Maria acrescenta um outro problema que é o medo que os pais de alunos possuem de responder os questionários que são enviados para eles mesmos responderem. Me disse a Maria “como posso ter certeza de que aquilo que eu escrever sobre a escola e a educação não será usado contra meu filho depois”.
A desconfiança da ouvinte faz todo o sentido, tendo em vista que os questionários respondidos pelos pais são entregues na escola pelo filhos.
Existem muitas críticas ao sistema de avaliação escolar do Governo estadual, estas são algumas. A verdade é o seguinte.
Avaliar é fundamental, não há dúvida, mas como estamos vendo a própria avaliação está com problema e não são poucos. O mais importante é que o ensino público é uma tragédia. A 30 anos que nada é feito de fato e que transforme a escola pública estadual. Já temos pelo menos uma geração de alunos mal formados, professores mal pagos e trabalhando em péssimas condições, e agora estamos vendo alunos que já são pais e sem formação para avaliarem a escola dos filhos.
A Maria é um entre alguns casos de mães que conseguem avaliar a escola dos filhos, mas não é maioria. Pesquisa feita no estado de São Paulo mostra que a maioria dos pais acredita que a escola é boa, mas não é. Isso é uma evidência de que os pais que também estudaram em escolas ruins estão sem instrumentos para averiguarem a qualidade da escola dos filhos.
É uma bola de neve em que o ruim está gerando mais ruins e tornando tudo ainda pior.
A escola, e a educação de uma maneira geral, não é uma prioridade nem do estado nem da sociedade. A escola tem problema de gestão de recursos, que alias são poucos deveriam ser muito mais, tem problemas de motivação dos professores, tem problemas de instrumentos, a quase totalidade das escolas não possuem laboratórios de química nem de informática, e quando tem está trancado por falta de professores que usem e saibam usar. Tem problemas de toda ordem e certamente precisaria de uma pacto da sociedade em todos os seus setores, empresas, comercio, igrejas, policia, políticos e estado para que fosse resolvido. Enquanto este pacto não for construído nada será feito e nenhum resultado disso saira.
Enquanto isso veremos a sociedade civil com medo de preencher um questionário por que sabe que pode ter um filho perseguido na escola. Isso é uma tragédia.
Agora é incontornável dizer que tudo isso é responsabilidade do PSDB que está entrando no próximo ano no quinto mandato a frente do governo do estado. Se a educação é o que é tem nome e sobrenome. Termino dizendo que a educação ainda não é prioridade de Estado. Esperamos que seja. O Alckimim assumi o governo no próximo ano. Esperamos que mude a linha que o PSDB paulista vem imprimindo ao tema nos últimos 16 anos. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…