Pular para o conteúdo principal

Rio Preto precisa de circular na madrugada


O senhor Jair morador do bairro Parque Industrial, ouvinte assíduo do Rádio Notícia, trabalha como pizzaiolo, no período noturno, como é natural nesta profissão.
A grande reclamação do senhor Jair e de muitos outros profissionais que trabalham a noite na cidade é sobre a falta de ônibus de madrugada.
Visitei o site da Santa Luzia para saber da disposição dos horários, não vi todas as linhas porque são muitas e não daria tempo, mas de todos as que eu vi, nenhuma oferecia ônibus depois da meia noite, algumas com os últimos horários antes da meia noite. Ora, Rio Preto tem uma vida noturna dinâmica, movimentada. Muitas padarias, Lojas de Conveniência e pizzarias e restaurantes ficam abertos até bem depois da meia noite.
E os profissionais que trabalham nestes horários ficam na dependência de pagarem moto taxi que no período noturno é mais caro, de madrugada mais caro ainda, e dependendo de onde vai o usuário muito mais caro ainda.
É claro que a empresa não pode cobrir a cidade toda na madrugada em todos os horários, mas é possível criar um mapa dos locais onde onda há maior necessidade de transporte e disponibilizá-los nestes locais e em alguns horários da madrigada.
Em Araraquara me lembro do corujão que era um ônibus que circulava pela cidade ao longo de toda noite. Todo mundo sabia de que em algumas horas da madrugada poderia contar com o corujão.
Pelo que vi no sita da santa Luzia entre a meia noite e 5 horas da manhã não há ônibus na cidade, é um desrespeito com o usuário e principalmente com os profissionais que trabalham na madrugada.
É importante ressaltar que sei de inúmeros casos de pessoas que ao voltarem para casa de madrugada forma assaltadas. Ontem mesmo o garoto que trabalha na padosa perto da minha casa aqui no higianópolis foi assaltado e espancado por um grupo de rapazes quando ele voltava para casa durante a madrugada.
A circulação de ônibus durante a noite é fundamental para o cidadão e deve ser oferecido pela empresa, além de permitir maior segurança para a população de se deslocar pela cidade.
Ao seu Jair obrigado pela sugestão, espero que tenha alguém da Santa Luzia nos escutando, ou algum vereador que tenha a bondade de fazer alguma coisa.Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…