Pular para o conteúdo principal

Ressaca




Luciano Alvarenga
Em primeiro lugar o fato de que serra teve ontem praticamente os mesmos votos que teve o Alckimim no segundo turno de 2006. Ou seja, em 4 anos não aconteceu nada nas hostes tucanas que levasse mais eleitor a votar no Serra. Os mesmos que votaram no Alckimim praticamente votaram no Serra agora.
Isso pode significar que a oposição bateu num certo teto eleitoral. O que coloca várias questões. Por que não aumentaram os eleitores da oposição, com acento no PSDB? Quais razões explicam a derrota do Serra? O que vai acontecer com o PSDB a partir de agora?
Por que não aumentou os eleitores da oposição? Talvez por que a oposição não tenha feito oposição. Estar na oposição não é ser do contra é oferecer um projeto de poder alternativo, o Serra não fez isso, pior colocou o Lula no seu primeiro programa de televisão. Serra apostou na sua biografia política contra a Dilma, perdeu. O Povo não vota em currículo, vota em expectativa.
O Serra passou a campanha toda falando de idéias e iniciativas, não de projetos, iniciativa de aumentar o salário mínimo, mas não em projeto de reforma da previdência e de emprego, falou de policlínicas, mas não de saúde pública em seu aspecto mais amplo. Falou do combate as drogas, mas não em violência urbana e a contaminação da corrupção nas policias, na política e no estado como o filme tropa de elite mostra didaticamente.
O PSDB é um partido em crise. Isso porque negou todos os seus princípios, aqueles dos tempos da fundação do partido pelo Mario covas e franco Montoro. Foi empurrado para a direita e deixou de ser um partido moderno para se transformar num partido dos grotões do Brasil, defendendo agendas que nada tem haver com as idéias fundadoras do PSDB.
O PSDB não sabe fazer oposição por que perdeu a capacidade de pensar o Brasil para além da agenda estritamente política. O Aécio faz sucesso em Minas por que desenvolveu lá um governo parecido com o do Lula no plano nacional, criou um bolsa família mineiro, empreendeu obras por todo o estado, modernizou a máquina pública, e deu forte acento as questões sociais.
O PSDB durante o governo FHC perdeu a conexão com seus projetos sociais democratas do tempo do Mario covas. Virou um partido voltado exclusivamente para questões financeiras e econômicas, o resultado foi que o PT pegou as bandeiras do PSDB e faz sucesso com elas hoje.
O PSDB precisa se repensar buscando suas origens. E mais do que isso precisa estudar a sociedade brasileira, o seus problemas, o que ela quer e espera do futuro. Isso significa que o partido precisa se oxigenar, dar espaço a gente nova, arejar os ares e olhar para frente. A eleição como o mais bem votado deputado estadual de são Paulo que foi a eleição do bruno covas evidencia que as pessoas entendem a renovação do partido quando isso ocorre.
O Brasil precisa mais do que nunca de uma oposição sadia, forte e com idéias que convençam a sociedade de sua viabilidade. Apelar para temas religiosos como forma de ganhar eleição o Serra viu que não dá certo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…