Pular para o conteúdo principal

Pegada ecológica

Abílio de Azevedo


O que você precisa para viver? A esta indagação feita, recentemente, pela ONG WWF Brasil as respostas dos entrevistados foram, majoritariamente: amor, família e amigos. Mesmo sem menosprezo a essas preocupações do campo afetivo, é de se estranhar que a maioria dos brasileiros não se lembre da imprescindibilidade da natureza para a sua vida. Como explicar essa não alusão à água, ao oxigênio, à biodiversidade e a tantos outros elementos vitais do meio natural, mesmo com toda uma “torrente verde” se alastrando pelo Brasil afora? Uma das tentativas de explicação certamente apontará para a necessidade de maior eficiência no manuseio dos mecanismos de sensibilização que permeiam o debate junto da opinião pública. Oportuna se torna, aqui, a lembrança de que, na Convenção da Biodiversidade das Nações Unidas, o Brasil se comprometeu com importantes metas de proteção ambiental. Essa agenda de compromisso, que evidentemente conclama pelo empenho de todos os brasileiros, cobra uma parceria entre sociedade civil e administração pública na busca dos meios que garantam efetivamente o desenvolvimento sustentável. Nesta tarefa, o alerta para as consequências do desleixo para com a natureza deve ser permanente. O governo federal procura fazer a sua parte fechando pacotes que contêm propostas de ações a serem operacionalizadas por diferentes segmentos nos demais patamares administrativos. Exemplo disso é a Lei nº 12.305 de 02/08/2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, dispondo sobre suas diretrizes de gestão integrada e de gerenciamento desses resíduos, bem como sobre as responsabilidades dos geradores e do poder público.

De sua parte, os governos estaduais elaboram protocolos com ações voltadas para essa sustentabilidade. O governo paulista, por exemplo, implantou, em 2007, o Projeto Município Verde, propondo a descentralização da política ambiental. Como decorrência, a maioria dos municípios paulistas se comprometeu em desenvolver, anualmente, plano de ação baseado em 10 diretivas ambientais. Dentre essas diretivas, a de criação do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente, que é condição básica para a liberação de certos recursos à municipalidade, foi prontamente dinamizada pelas prefeituras. É de se lembrar que a criação do Comdema tem como propósito o real envolvimento dos segmentos populares com os instrumentos ambientais disponíveis. Se todo esse esquema é pra valer mesmo, então não há dúvida de que, em última instância, é na esfera local que essa pegada ecológica carece de ser arrochada. É fundamental, por conseguinte, que haja clareza de que essa faina deve ser assumida pelo conjunto dos órgãos formadores do Poder Público municipal. Neste sentido, é deplorável o que se constata em vários municípios, onde o próprio Comdema - a despeito de sua nada espontânea origem - se esquiva de participar dessa força-tarefa ao abdicar-se de suas funções. Por fim, o terreno mostra-se fértil a que, em particular, jovens, adolescentes e crianças se engajem nessa arrancada socioambiental, porém que seja de modo consciente. A propósito, conscientização tem a ver com práticas educativas e estas com profissionalismo. Impreterível se torna, portanto, que a semeadura nesse terreno prime pela eficiência. Talvez, assim, os diferentes segmentos da sociedade recriem, por meio de novos valores de referência e novas formas de sobrevivência, a sua própria presença nesta “Mãe Terra”.
ABÍLIO MOACIR DE AZEVEDO
Mestre em organização do espaço pela Unesp/Rio Claro-SP, professor da Faeca Dom Bosco de Monte Aprazível e Faculdade de José Bonifácio

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…