Redes Sociais conectam ideias e visões de mundo

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Esfriando a cabeça para 2011

A relação governo-oposição em 2011

Por JB Costa
RELAÇÃO ENTRE GOVERNO E OPOSIÇÃO

Beto Richa (PSDB)
governador eleito do PR
"Cabe ao PSDB de cumprir seu papel de oposição responsável e não sistemática do 'quanto pior melhor'. (...) Espero que possamos ter uma relação republicana. Não vejo dificuldade [no diálogo], já que a presidente estendeu a mão, de fazer um trabalho de oposição respeitoso, apontando erros e indicando caminhos."
Tarso Genro (PT)
governador eleito do RS
"A derrota do Serra e o esvaziamento da parte mais radical do DEM possibilita a abertura de uma negociação de alto nível com setores do PSDB, a meu ver liderados pelo senador Aécio Neves, e com parlamentares representativos para os quais interessa reforçar a democracia. A fase de radicalidade da disputa política já passou."
Jutahy Júnior (PSDB)
deputado federal reeleito
"Cabe à oposição cumprir seu papel de fiscalizar e cobrar as promessas que foram apresentadas na campanha. (...) Acho que tem que ter um relacionamento na oposição. O diálogo se dá dentro no Parlamento, através das lideranças do governo e da minoria."
Tião Viana (PT)
governador eleito do AC
"A oposição vai precisar tomar atitudes porque vai precisar se reciclar. A oposição viveu oito anos do governo Lula com raiva e não em um comportamento à altura dos valores democráticos. Por isso, com certeza haverá mais diálogo agora."
Roberto Freire (PPS)
deputado federal eleito
"O diálogo já é normal na democracia, não tem [diálogo] maior nem menor. Uma coisa que tem que ficar bem clara é que, na democracia, um tinha que ser vitorioso. O outro vai cumprir seu papel, tão importante quanto o do governo, que é fazer oposição."
Valdir Raupp (PMDB)
senador reeleito
"Acredito que haverá mais diálogo. Neste governo que está terminando a oposição foi mais forte do que a que vai entrar agora, tinha uma representatividade maior. Não creio que agora a oposição seja mais dura do que foi no governo Lula."
Rodrigo Maia (DEM)
deputado federal reeleito
"Estamos à disposição para discutir os projetos e vamos votar a favor do que o partido entender ser positivo para o país. Esse é o nosso limite. Acho que nem ela nem o Democratas têm interesse que a relação passe dessa linha. (...) A oposição tem que ter liberdade para criticar e fiscalizar o governo."
Renato Casagrande
governador eleito do ES
"Num primeiro momento do governo, a oposição é mais sensível ao diálogo. E um dos líderes da oposição, o Aécio Neves, é uma pessoa de diálogo. [Dilma] Deve aproveitar esse primeiro momento se quiser fazer mudanças mais profundas e estruturantes."
José Luiz Penna (PV)
deputado federal eleito
"Acho que a Dilma vai ter que dialogar. A maioria dos governadores é de oposição. O Congresso tem maioria governista, mas não é uma maioria muito confortável, o que é bom, porque vai ter que abrir um processo de negociação em alto nível."
Ivan Valente (PSOL)
deputado federal reeleito
"Tem dois tipos de oposição a este governo. O nosso vai ser de uma oposição programática, de esquerda, ideológica, enquanto que a coligação que concorreu à Presidência, de PSDB, DEM e PPS, fará uma oposição mais conservadora, como mostraram na campanha."

Nenhum comentário: