Pular para o conteúdo principal

Entenda o Caso Panamericano I

Entenda o Caso Panamericano I

Stephen Kanitez

Como é possível alguém comprar um Banco e somente um ano depois descobrir uma fraude de mais de 2 bilhões de reais? 
Muito simples. Por mais de 60 anos, negligenciamos os cursos de Auditoria, Fiscalização, Controladoria, e Compliance no Brasil. Não temos sequer uma Faculdade de Auditoria no país. 
Durante a ditadura militar tivemos um desmonte generalizado dos cursos de Auditoria e Contabilidade, em detrimento de um aumento colossal dos cursos de Economia, pelo poder que os economistas tiveram durante a ditadura. O Prof. Delfim Netto, da própria FEAUSP, foi o czar supremo da Economia na época militar. Mais que natural, puxou a sardinha para o lado de sua profissão, que ocupou quase todos os espaços, inclusive no jornalismo.
Vejamos o caso da Faculdade de Economia e Administração da USP.
Em 1964, a FEAUSP possuía 5 Departamentos: Economia, Administração, Administração Pública, Contabilidade e Auditoria, e Atuária (que ensina gestão financeira de Fundos de Pensão). 
A grosso modo, cada departamento ou curso deveria ter 20% do orçamento global da Faculdade.
Em 1990, quando fui chefe do Departamento de Contabilidade, o orçamento já estava dividido assim:
Economia 53%
Administração 25%
Administração Pública 8%       ( Negativo 12% )
Auditoria e Contabilidade 9%. ( Negativo 11% )
Atuária 5%. ( Negativo 15% )
Além de terem tirado o nome da Contabilidade da sigla da Faculdade.  
Como o Estatuto da FEAUSP estava sendo renovado, propus que em 10 anos as porcentagens originais, com desvio de 3% para mais ou para menos, fossem de novo respeitadas. Fui obviamente trucidado pelos economistas da USP, que falam mal de mim desde então, apesar de que simplesmente queria melhorar este país. 
Provavelmente, temos hoje 400 escolas de Economia para formar um bom Ministro da Fazenda, e não temos Faculdades de Auditoria para formar algo em torno dos 400.000 auditores, fiscais, controlers, gerentes de compliance, de que o Brasil precisa.
Aceito contestarem ambos os números, mas qualquer que sejam os dois números, não se preocupar com o que acabo de dizer é o grande problema deste país.
Explica por que nossa administração pública é carente. Porque nossos fundos de pensão são pouco geridos. Porque este país é mal auditado, por falta de auditores.
O escândalo do Panamericano não é o rombo, o escândalo é que durante a ditadura militar desmontamos todos os mecanismos de controle da sociedade, o óbvio numa ditadura, e desde o fim da ditadura ninguém se preocupou com o assunto, com exceção deste Blog.
Ou seja, nada vai mudar porque a própria imprensa, como a ditadura militar, não quer tocar sobre o assunto de auditoria, fiscalização, compliance, conselho editorial, feedback, ombudsman e controle de qualidade.
Acham que isto seria cercear a sua liberdade de ignorar fatos importantes que aconteceram no Brasil como este.
Vale a pena consultar http://pt.wikipedia.org/wiki/Faculdade_de_Economia  especialmente a parte de Alumni, para ver quem eles consideram alunos importantes, e quem eles consideram fracassados e não dignos de serem mencionados. Não há nenhum auditor ou administrador bem sucedido, segundo os critérios da FEAUSP.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…