Pular para o conteúdo principal

Criança na internet e o conteúdo impróprio


Renato Dias Martino - Psicólogo
Gostaria de convidar para pensarmos a questão da criança que tem acesso na internet a conteúdos impróprios ou proibidos. Percebo que o assunto vem sendo extremamente discutido entre profissionais da área da saúde mental e também entre educadores. Tentativas diagnósticas são levantadas por profissionais psicólogos e pedagogos de várias abordagens teóricas para suprir a crescente demanda de respostas e soluções para esse problema que cresce assim como cresce o acesso ao mundo on-line. Nesse mesmo ritmo cresce a pressa por obter soluções breves, práticas e certeiras para esse problema que emerge na sociedade como bolhas de gás num copo de coca cola, nos fast-food da vida. Sabe, aquele lugar onde se entra com o carro, se pega o lanche e sai dirigindo e comendo ao mesmo tempo?
Sim, não é novidade que vivemos na era “fast” e não só para os “foods”, mas para tudo que se imagina, então por que não para “fast-psic”?
Bem, o que vemos então, são profissionais propondo que, a essas crianças que um dia foram abandonadas na frente de um computador, pois os pais tinham “mais o que fazer”, tenham agora, regras duras para defende-los do perigo os rondando na rede. 

"As regras que nascem de um ambiente rico em afeto e verdade são regras internas, muito mais próxima da ética do que daquilo que chamamos moral e que na realidade só se sustenta sob os olhos da autoridade. Regras morais se dissolvem rapidamente enquanto a autoridade se distrai. Aquele que aprendeu ser respeitado dentro do lar, certamente não se envolverá em qualquer que seja a relação que não ofereça respeito".
Entretanto, não é necessário ser um profissional da psicologia para perceber que regras duras só existem para serem quebradas e transpostas. Quanto mais duramente são impostas, tanto maior é o desejo de transpô-las. Agora, pensemos essa experiência na criança, vivendo em sua idade, uma fase da existência psíquica onde se apóiam muito mais nas ilusões e imaginações que cria, do que na realidade dos fatos que compartilha com os adultos.
Se concordarmos até aqui, me parece então, que seria desnecessária mais argumentação, para perceber que medidas apressadas e com resultados eficazes e breves, estão distantes, nesse caso. Mas, me parece muito interessante nos atermos um pouco mais em certa questão que julgo de central importância.
Para uma criança, ser desejada é algo que está à cima de qualquer que seja o anseio. E isso é sinal de saúde mental, pois uma criança que elegeu qualquer que seja o outro objeto de interesse que não seja o da companhia do outro, certamente precisa de cuidado.
De inicio e na fase mais importante do desenvolvimento da vida emocional da criança, o desejo e
o amor dos pais ( ou daquele que ocupou esse lugar) deve suprir toda necessidade que demanda dela. A partir de uma base suficientemente boa, a criança então, inicia a expansão à procura de novas experiências externas, mas com a realidade de que foi amada no seio de seu lar.
Entretanto, essa criança tentará ser desejada por seus pais ou aquele que ocupa esse papel, de todas as maneiras possíveis. Só se esgotará o esforço nessa direção quando realmente não puder mais fugir da realidade de que não terá mesmo isso. A partir daí buscará ser desejada de outras formas e em outros lugares, carregando uma enorme magoa pela experiência frustrada.
Falamos aqui de uma criança reprimida em seu desejo central, quando não conseguiu afeto necessário em lugar seguro, busca então, algo externo pra satisfazer seus desejos. Isso se nos apoiarmos aqui no pensamento psicanalítico que parte de Sigmund Freud (1856 – 1930) e se expande a cada dia mais.
Pensemos então, isso acontecendo numa época onde não existe muita capacidade de escolha. Torna-se um alvo fácil para os convites on-line.
Quem procura algo proibido só pode estar fugindo de outro algo. Mas, será que alguém fugiria se o lar fosse um ambiente onde se cultivasse a verdade com muito amor? Chegamos então no cerne da questão.
O conteúdo impróprio ou proibido é um convite que vem com a proposta tentadora e vingativa de libertar dos desejos frustrados do amor e da verdade dos pais.
As regras que nascem de um ambiente rico em afeto e verdade são regras internas, muito mais próxima da ética do que daquilo que chamamos moral e que na realidade só se sustenta sob os olhos da autoridade. Regras morais se dissolvem rapidamente enquanto a autoridade se distrai. Aquele que aprendeu ser respeitado dentro do lar, certamente não se envolverá em qualquer que seja a relação que não ofereça respeito.
Prof. Renato Dias Martino
é psicoterapeuta e músico

Fone: 17-30113866 renatodiasmartino@hotmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…